DJ Walker Vasquez revive boates niteroienses dos anos 80/90 em aplicativo de shows

Plataforma digital criada por Juliana Brittes permite aos artistas monetizarem suas 'lives' e já tem inscritos cinco mil espectadores

Por Irma Lasmar

Walker é um dos mais concorridos artistas do app Sound Club Live e se apresenta toda sexta-feira à noite
Walker é um dos mais concorridos artistas do app Sound Club Live e se apresenta toda sexta-feira à noite -
Niterói - Procurando o que fazer de diferente e divertido nesta sexta-feira à noite? Aí vai uma dica de programa virtual: reviver os tempos de Le Village, Acrópole, Barthô, República da Banana, Scaffo, Kool Ibiza, Madame Kaos, Insomnia, Calipso e tantas outras boates que fizeram a juventude feliz dos niteroienses que atualmente têm mais de quarenta anos de idade. Com a experiência de 34 anos de sonorização de eventos e casas noturnas, o DJ Walker Vasquez faz nova live com seu amplo e eclético repertório, incluindo os hits que ele tocava nas saudosas pistas de dança dos anos 80 e 90 em Niterói. A noitada virtual deste dia 3 começa às 20h no Instagram @djwalkervasquez e às 20h45 no aplicativo Sound Club Live. Esta plataforma, desenvolvida por Juliana Brittes e equipe, permite que artistas cadastrados monetizem seus shows on-line e driblem a crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus.
Mal havia começado o isolamento social e a suspensão dos shows musicais presenciais quando esta criativa niteroiense inventou o aplicativo Sound Club Live, através do qual os profissionais de cultura se apresentam ao vivo para um público pagante. E apesar da onda de transmissões em tempo real por Instagram e Facebook terem virado uma verdadeira febre entre os internautas, que desfruta gratuitamente de conteúdos diversos, principalmente musicais, a ferramenta de Juliana vem fazendo grande sucesso e ajudado os cantores e músicos a se manterem produtivos e remunerados.
Disponível em celulares com sistema Android e iPhone, a ferramenta funciona em dois modelos de negócios, ambos diferentes de tudo o que já existente no ambiente on-line (e em boa parte se baseia na capitalização de anúncios), com a plateia pagando diretamente ao artista, que não depende de um alto volume de acessos para receber o dinheiro. No modelo Live Free, escolhido pelo DJ Walker Vasquez, o público entra na sala de show e clica, se quiser, no botão "prestigiar", escolhendo o valor que pode contribuir (por cartão de crédito) para o cantor, músico ou banda, os quais visualizam o quanto estão ganhando e recebem por transferência em conta logo no dia seguinte. O outro modelo, chamado Live Paga, o artista agenda seu show, determina quanto quer cobrar e o público compra o ingresso pela plataforma - como acontece com apresentações presenciais.
"Nesses dois meses de existência, o aplicativo têm crescido muito rápido. Já temos cerca de cinco mil espectadores e 1.500 artistas inscritos", comenta Juliana, que antes já havia inventado um app que conecta artistas a oportunidades de tocar, também voltado para música ao vivo, contabilizando hoje sete mil cadastrados, entre artistas e produtores de eventos. "Quando veio a pandemia e a necessidade de quarentena, foi preciso inovar. A música ao vivo é tão importante quanto a gravada. Somente as grandes estrelas, com uma base de público imensa, conseguem viver só de gravação. A maioria dos artistas depende do palco e de barzinhos para sobreviver".
DJ Walker foi um dos primeiros a aderir à novidade, cadastrando-se no dia seguinte à criação do aplicativo, ocorrida em 16 de abril. Com 45 anos de idade, ele começou a carreira aos 11, fazendo a sonorização de festinhas. O isolamento por conta da pandemia, para ele, só não está mais difícil porque as lives pagas do Sound Club Music se tornaram uma saída possível à crise financeira do setor cultural do momento. "Fiz o teste e gostei. Sou um dos mais assíduos, com festas virtuais toda sexta-feira. Estou gostando muito, pois como o sistema cumpre as obrigações com o Ecad, a transmissão nunca é derrubada por violação a direitos autorais, como acontece com vídeos nas redes sociais e YouTube", explica ele. 

Comentários