Prática do cineclubismo nas Unidades de Acolhimento de Niterói reforça as normativas previstas pela Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS N.° 109/2009 e N.º13/2014), contribuindo para a qualidade de vida e manejo do estresse e do ócio com atividades criativas, lúdicas, culturais e relaxantes - Divulgação / Prefeitura de Niterói
Prática do cineclubismo nas Unidades de Acolhimento de Niterói reforça as normativas previstas pela Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS N.° 109/2009 e N.º13/2014), contribuindo para a qualidade de vida e manejo do estresse e do ócio com atividades criativas, lúdicas, culturais e relaxantesDivulgação / Prefeitura de Niterói
Por O Dia
Niterói - As pessoas que estão abrigadas nos centros de acolhimento da Prefeitura e nos hotéis para a população em situação de rua ganharam um alento em forma de cultura e lazer para mitigar sua dura realidade: o Projeto Cine Acolhimento, em que são exibidos filmes com temáticas pertinentes à situação deste segmento da sociedade, seguidos de debates com os pedagogos e assistentes sociais que os atendem. A iniciativa é da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos. 
Segundo Flávia Mariano, o filme escolhido dessa semana é O Contador de Histórias, sobre um ex-acolhido da antiga Fundação do Bem-Estar do Menor (Febem), considerado irrecuperável de suas ações, quer é adotado, muda-se para a França, termina seus estudos e retorna como educador às instituições para falar sobre sua história e transformar a vida de outras crianças também consideradas irrecuperáveis como ele, adotando-as e mudando seus destinos. A secretária municipal Flávia Mariano explica que o projeto é ainda mais oportuno neste momento de isolamento social. 
Publicidade
“Sabemos que, diante da complexidade do mundo em que vivemos, sobretudo das condicionantes sociais de um sistema político-econômico, as grandes desigualdades se relacionam diretamente com a indústria cultural que é restrita, excluindo as camadas mais vulneráveis da população à possibilidade do acesso”, lembra ela. “No entanto, os cineclubes são espaços democráticos, educativos, políticos, sem fins lucrativos que contribuem na formação de público, porque não só estimulam as pessoas a assistirem como também promovem rodas de discussões”.
Ela destaca que promover a prática do cineclubismo nas Unidades de Acolhimento de Niterói reforça as normativas previstas pela Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (Resolução CNAS N.° 109/2009 e N.º13/2014) e, no momento atual de pandemia, é uma forma de que sejam desenvolvidas atividades que contribuam para a qualidade de vida e manejo do estresse e do ócio com atividades criativas, lúdicas, culturais e relaxantes. “A primeira sessão do Cine Acolhimento exibiu o filme ‘Que horas ela volta?’, com a atriz Regina Casé, que traz uma crítica social que instiga a pessoa a reavaliar a sociedade na qual está inserida e serviu como base para debate após a sessão”, conta Flávia.
Publicidade
A escolha dos filmes que serão exibidos pode ser feita pelos próprios participantes ou a partir de uma curadoria, porém a seleção costuma ser de acordo com uma temática específica. As sessões acontecerão quinzenalmente, às sextas-feiras, até dezembro, no melhor horário de cada instituição. “De acordo com sua temática, a mediadora levará algumas informações e perguntas geradoras para direcionar o diálogo. O audiovisual, na atualidade, é uma das principais formas pela qual buscamos nos informar, entreter, aprender e nos divertir. A imagem com som em movimento são poderosos instrumentos de veiculação de informações, valores, padrões, modos de ser, pensar e agir, a partir delas construímos muito de nossos repertórios e referenciais culturais. Queremos possibilitar com essa experiência uma ferramenta de educação, estimulando o desenvolvimento do pensamento crítico”, revela Flávia.
Acolhimento - A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos de Niterói atualmente dispõe de 170 vagas em centros de acolhimento para homens, mulheres, crianças e adolescentes e mais 150 vagas nos hotéis arrendados para população em situação de rua. No mês de junho, as equipes do serviço especializado de acolhimento fizeram 232 atendimentos nas ruas da cidade. O serviço é realizado por equipe composta por assistentes sociais, psicólogos e educadores sociais. Segundo porta-vozes da Prefeitura, o serviço de abordagem social especializada é responsável por encaminhamentos à rede de acolhimento institucional do município, encaminhamentos referentes à saúde, documentação, fortalecimento de vínculos familiares e comunitários e demais ações que objetivam uma mudança gradual na vida da população atendida, com vistas à saída gradativa das ruas.

Joaquim Rolla foi o empresário mais prejudicado com a lei que proibiu os casinos em 1946, pois firmou um acordo com o governo brasileiro onde assumiria todas as indenizações trabalhistas dos trabalhadores de seus casinos caso o jogo de azar fosse proibido no Brasil.

Mas o magnata dos casinos do Brasil felizmente havia feito investimentos em outros setores. Alguns de seus outros empreendimentos foram o Edifício JK, em Minas Gerais, o Banco Mercantil do Brasil e o Pavilhão de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, que hoje é conhecido como Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas. Assim, o ex-tropeiro passou o final de seus dias tendo uma vida confortável.