Benny foi assessora da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) antes de ser eleita vereadora de Niterói e, ainda na campanha, já havia denunciado ataques transfóbicos feitos por Douglas, que ainda era candidato
Benny foi assessora da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) antes de ser eleita vereadora de Niterói e, ainda na campanha, já havia denunciado ataques transfóbicos feitos por Douglas, que ainda era candidatoImagem Arquivo
Por O Dia
Niterói -  A vereadora de Niterói Benny Briolly (PSOL) vai entrar, na próxima segunda-feira, com representação na Comissão de Ética da Câmara dos Vereadores contra o parlamentar Douglas Gomes (PTC), por transfobia, racismo e tentativa de agressão física. 
Ela relata que o vereador a agrediu verbalmente durante uma plenária na tarde da última quinta-feira (25/3) na Câmara Municipal de Niterói, no Rio de Janeiro.
Publicidade
Nas redes sociais, a parlamentar fez um desabafo: “Hoje fui agredida com transfobia, racismo e quase fisicamente pelo vereador fascista Douglas Gomes, que segurado pelos meus companheiros de bancada para que não me encostasse. Foi horrível e doloroso! Chorei, senti medo, senti a dor de ser mulher negra e trans na política, mas não recuei. Companheiras me ajudem porque eu não posso andar só!”, contou.

A motivação teria sido a vereadora citar, na plenária, que Douglas, que é apoiador de Jair Bolsonaro (sem partido), já havia sido transfóbico, machista e havia defendido o coronel Brilhante Ustra, torturador e ex-comandante do DOI-Codi. “São posicionamentos que não condizem com a comissão de direitos humanos”, defende Benny.
Em nota, o presidente da Câmara de Niterói, Milton da Silva Lopes (PP), diz que espera que os vereadores façam a sua parte para manter o "iálogo ameno" e ressalto que cabe ao Conselho de Ética avaliar a conduta do vereador Douglas Gomes.

Também em nota, o vereador Douglas Gomes nega ter agredido Benny Briolly e afirma que a denúncia é “totalmente infundada”. Gomes diz ainda que o jurídico está tomando as medidas cabíveis referente “às calúnias publicadas pelo parlamentar”.