Beltrame após tiroteio no Alemão: 'Facção está tentando voltar'

Evento no local teve que ser adiado após tiroteio

Por leandro.eiro

Rio - O secretário de segurança do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou neste domingo que a facção que dominava o Complexo do Alemão antes da pacificação está tentando retomar o controle do território. Beltrame criticou a resistência de bandidos após o final da corrida "Desafio da Paz", que teve a largada adiada por tiros disparados na Vila Cruzeiro.

"A mesma facção que domivana o local há anos está tentando retomar o território, mas eles são apenas um resquício do que havia tempos atrás", disse o secretário.

Beltrame participou da corrida no Alemão e lamentou ação dos bandidosSeverino Silva / Agência O Dia


Beltrame determinou um reforço da Polícia Militar (PM) na região e anunciou que vai se reunir ainda neste domingo com o poder público para tratar uma linha de investigação, que pretende identificar de onde partiram os tiros. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) também está no Complexo do Alemão ocupando pontos estratégicos.

O secretário comparou a região hoje com tempos atrás, citando a morte do jornalista Tim Lopes. Ele ressaltou que as atitudes dos criminosos são esperadas, como o fechamento do comércio na semana passada, mas que os "resquícios" serão eliminados com o tempo.

A corrida do Desafio da Paz teve sua largada por volta das 9h após ser adiada por conta de um tiroteio ocorrido no local, mais cedo. Durante os disparos, houve tumulto e correria. Aproximadamente duas mil pessoas participaram do evento.

Um dos organizadores do evento chegou a pedir que as pessoas deitassem no chão e ficassem próximas as paredes.

Policiais no Alemão durante Corrida da PazSeverino Silva / Agência O Dia


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia