Filho de Amarildo e o futuro nas passarelas

Anderson estreia no mundo da moda de olho em dias melhores para a família

Por thiago.antunes

Rio - Anderson Gomes, de 21 anos, deu ontem os primeiros passos na passarela como modelo. O objetivo? Dar um futuro melhor para a família, que ainda não superou o sumiço do patriarca, o ajudante de pedreiro Amarildo Souza, desaparecido há mais de dois meses. Criado na Favela da Rocinha, local onde mora e o pai desapareceu, a estreia foi ao lado de casa, no Shopping Fashion Mall, em São Conrado.

“Nunca poderia imaginar que começaria minha carreira ao lado de casa”, afirmou Anderson, entusiasmado antes de o evento começar. “Irei aproveitar essa chance com unhas e dentes para melhorar a vida da minha família”, resumiu o rapaz.

Anderson Gomes%2C de 21 anos%2C é maquiado pouco antes do evento%2C no Fashion Mall%3A centro das atençõesAndré Mourão / Agência O Dia

O evento contou com a presença de familiares de Anderson. Elizabete Gomes, mulher de Amarildo e mãe de Anderson, disse estar muito feliz com o sucesso repentino do filho, mas não escondeu a saudade do marido. “A ferida do desaparecimento continua aberta e muito viva. Queria muito que Amarildo estivesse vivo para ver onde o filho dele está chegando. Espero que essa carreira melhore a nossa situação”, disse Elizabete, esperançosa.

O desfile foi organizado em comemoração aos 20 anos do Instituto Zuzu Angel de moda. Responsável pela carreira de Anderson, Sérgio Matos, da agência 40 Graus, disse que o filho de Amarildo é um ‘diamante a ser lapidado’: “Quero que ele sonhe, mas saiba que essa carreira é muito difícil”, contou Sérgio. Para ele, é hora de Anderson aproveitar a visibilidade que infelizmente lhe foi dada por uma tragédia. “Quinze minutos de fama não devem ser suficientes”.

A Polícia Civil não sabe o que ocorreu com Amarildo, e PMs da UPP Rocinha são suspeitos de ter matado o pedreiro.

Documentário na internet

Em 22 minutos e 13 segundos, o cineasta carioca Rômulo Cyríaco, 29, reuniu depoimentos de familiares do auxiliar de pedreiro no documentário ‘Eu, Um Amarildo’, visto por mais de 3 mil pessoas até esta segunda-feira à noite, no YouTube e no Vimeo.

Nas imagens, filmadas em agosto, familiares relatam quem era Amarildo no dia a dia e como foram os últimos momentos dele na comunidade. “Deixei eles falarem o que estavam pensando com naturalidade, sem determinar nada”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia