Crise no PSD-RJ

Wagner Montes e Arolde de Oliveira também criticaram presidente regional do partido

Por thiago.antunes

Rio - O deputado Wagner Montes não é o único que ficou irritado por ter sido excluído das negociações entre seu partido, o PSD, com o PMDB. O deputado federal Arolde de Oliveira, que recebeu quase 100 mil votos em 2010, também anda criticando Indio da Costa, presidente regional do PSD. 

Em conversas com outros parlamentares, Arolde tem dito que o partido saiu desgastado em troca de muito pouco — o direito de Ronaldo Cezar Coelho ser candidato a suplente de senador na chapa de Sérgio Cabral.

Caroneado

Assim como Montes, Arolde era cotado para ser candidato ao Senado.

Os caciques

Também em conversas com outros políticos, Montes afirmou que deixara o PDT porque o partido tinha um “dono”, o ex-ministro Carlos Lupi. Agora, no PSD, diz ser obrigado a conviver com o poder de Indio da Costa.

Perimetral

Presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Melo recebeu um pedido da prefeitura para negociar o fim da restrição de horário para a demolição de trecho da Perimetral na Praça 15. Ele vai tentar convencer o deputado Luiz Paulo (PSDB) a abrir mão do acordo que limita as obras das 19h às 9h. A prefeitura teme que a restrição possa causar um atraso de dois meses.

Bolso aliado

Entre as ofensas dirigidas à deputada Cidinha Campos (PDT), Domingos Brazão, líder do PMDB, afirmou que ela estava no bolso do governador. Um colega lembrou que ele é do mesmo partido da dupla Cabral/Pezão.

Palpite infeliz

Em discurso, o vereador Marcelo Arar (PT) atribuiu a Caetano Veloso a autoria de ‘Carinhoso’, de Pixinguinha e Braguinha.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia