Velório de João Ubaldo Ribeiro é reaberto ao público

Escritor morreu na madrugada de sexta-feira, em sua casa do Leblon, Zona Sul do Rio

Por julia.sorella

Rio - O velório do escritor João Ubaldo Ribeiro, que morreu na madrugada de sexta-feira, em sua residência no Leblon, na Zona Sul, foi reaberto ao público às 8h deste sábado, na Academia Brasileira de Letras. Editoras, secretarias da prefeitura, amigos e parentes enviaram várias coroas de flores, que continuam chegando na manhã deste sábado e estão expostas no pátio da ABL.

Amigos e parentes se despedem de João Ubaldo Ribeiro%2C durante velório do acadêmico na ABLFotos%3A Daniel Scelza / Agência O DIA

ABL perde um grande prosador, diz filólogo Evanildo Bechara

O acadêmico e filólogo Evanildo Bechara comentou - bastante abatido - a morte do amigo e colega de Academia Brasileira de Letras (ABL), João Ubaldo Ribeiro. Bechara disse que depois da ABL se recuperar da morte do acadêmico Ivan Junqueira, morto recentemente, e de comemorarar na noite passada, o aniversário de 117 anos da instituição, recebeu hoje a triste notícia da morte de João Ubaldo Ribeiro.

"A ABL que procura ser uma reunião dos grandes expoentes da literatura brasileira acaba de sofrer um golpe rude com a morte de João Ubaldo. Ele era talvez a nossa maior expressão na prosa. Homem que tem livros que vão ficar durante muito tempo como representativos da moderna literatura brasileira. Um homem culto. Não somente um grande prosador, um grande cronista, mas também grande conhecedor das coisas. Um homem de uma grande cultura geral que espargia nos seus artigos. Um homem que representava muito bem o Brasil dentro e fora das suas fronteiras. De modo que a Academia Brasileira de Letras se sente profundamente de luto depois dessas duas tão grandes perdas em tão pouco espaço".

João Ubaldo escreveu mais de 20 livros%2C entre eles ‘Sargento Getúlio’%2C ‘O Sorriso do Lagarto’%2C ‘A Casa dos Budas Ditosos’ e ‘Viva o Povo Brasileiro’Efe

Biografia

Nascido em Itaparica, na Bahia, João Ubaldo é autor de diversos clássicos da literatura brasileira, como "Sargento Getúlio", "O Sorriso do Lagarto", "A Casa dos Budas Ditosos" e "Viva o Povo Brasileiro", entre outros. Em 2008, o escritor conquistou o Prêmio Camões, concedido pelos governos de Portugal e do Brasil, para autores que contribuem para o enriquecimento da língua portuguesa.

O escritor também venceu, por duas vezes, o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro. Em 1972, conquistou o Jabuti de Melhor Autor, por "Sargento Getúlio". Em 1984, venceu na categoria Melhor Romance, por "Viva o Povo Brasileiro".

João Ubaldo se formou em bacharel de Direito, em 1962, mas nunca exerceu a profissão. Ele foi professor da Escola de Administração e da Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia e da Escola de Administração da Universidade Católica de Salvador, além de jornalista. Seu primeiro livro foi "Setembro não Tem Sentido", lançado em 1968.

Em 1993, entrou para a Academia Brasileira de Letras, sucedendo Carlos Castello Branco. O corpo do escritor, que era casado e tinha quatro filhos, deve chegar por volta das 10h na ABL, onde será velado, e o sepultamento será no Cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia