Sobrevivente de chacina em Realengo é homenageado

Associação Anjos de Realengo também receberá medalha da Academia Brasileira de Medalhística Militar nesta sexta-feira

Por paloma.savedra

Rio - Há pouco mais de três anos, a tragédia da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, abalou a vida de 12 famílias que perderam seus filhos, e também dos estudantes que testemunharam o massacre.

Hoje, um dos sobreviventes da chacina, o jovem Allan Mendes, de 16 anos, e que mesmo baleado foi buscar socorro, será homenageado pela Academia Brasileira de Medalhística Militar. A cerimônia será às 10h30, no Monumento dos Pracinhas, no Aterro do Flamengo. 

Protótipo do monumento em homenagem aos 12 "anjos de Realengo"%2C como são chamadas as crianças vítimas da chacina na Escola Municipal Tasso da SilveiraDivulgação

Também receberá a homenagem a Associação Anjos de Realengo, composta por pais das vítimas fatais da chacina. O grupo tem desenvolvido um trabalho de combate ao bullying e lutado por ações de apoio à recuperação das crianças que vivenciaram o massacre. 

Mãe de uma das vítimas - a jovem Luísa Paula Silveira Machado, 14 -,  Adriana Silveira, 42 anos, lembrou que a entrega da medalha fortalece as famílias: "Estamos recebendo a medalha pelo trabalho que estamos fazendo nas escolas, com palestras alertando sobre a violência, o bullying. Também falamos sobre valores humanos que se perderam", disse ela.

O trabalho da associação tem ultrapassado as fronteiras do Rio: "Temos ido para fora do Rio. Já demos palestra em escolas em Minas Gerais, Campinas (SP), Aracaju. Também recebemos apoio dos adolescentes. É um trabalho que está dando frutos", contou Adriana. 

Bairro ganhará praça chamada 'Anjos de Realengo'

Ainda sem data prevista para inauguração, a Praça Anjos de Realengo é uma das homenagens da prefeitura do Rio às 12 vítimas do massacre na escola. O  espaço seria inaugurado no fim deste ano, mas a data pode ser adiada para abril, mês da tragédia. 

No local, será instalado um monumento representando cada um dos jovens que perderam suas vidas. Uma das vítimas, a menina Ana Carolina é representada por uma borboleta, já que não houve autorização de sua família para a criação de sua estátua.

A tragédia

No dia 7 de abril de 2011, o ex-aluno da Escola Municipal Tasso da Silveira, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, invadiu o colégio armado com dois revólveres. Ele entrou nas salas e disparou contra os alunos,d eixando 12 vítimas fatais.

Um dos sobreviventes, Allan Mendes, na época com 13 anos, foi baleado e conseguiu correr até a rua, em busca de socorro. Foi ele quem acionou a Polícia Militar na rua.  A PM entrou na unidade e conseguiu conter Wellington, que, em seguida, se suicidou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia