Por thiago.antunes

Rio - Como reza a tradição, o Edifício Miranda Pinto, vibrantemente iluminado, situado em uma das pontas da Rua Dias da Cruz, no Méier, vai fazer as multidões suspiraram durante o ‘Janelas do Natal’ — maior coral do gênero da Zona Norte. Nesta sexta-feira, em seu último dia de apresentação, os 200 coristas da Igreja Batista do Méier farão duas exibições do espetáculo — às 20h e às 21h — para cantar e encantar o público com o mais puro sentimento natalino.

No ano passado, os organizadores contabilizaram cerca de 11 mil espectadores nos três dias de evento. Entre turistas, moradores de outros bairros, comerciantes, e passantes, a equipe responsável pela apresentação verificou até mesmo a inesperada presença de uma van vinda do município de Nova Iguaçu com o único objetivo de transportar um número considerável de fãs do coral. Só na abertura do evento neste ano foram três mil pessoas.

Janelas de um prédio na Rua Dias da Cruz recebem iluminação especial%3A coral dá show nesta sexta-feira%2C às 20h e às 21h Uanderson Fernandes / Agência O Dia

O pastor titular Purin Júnior, com 21 anos de sacerdócio, garante que a celebração não sensibiliza apenas os fiéis: “A gente arrisca que 70% do público que para para ouvir as músicas é de fora da igreja. E é justamente para eles que fazemos o evento”. O espetáculo , portanto, é também dos curiosos, músicos, pessoas que não se consideram religiosas mas que se deixam embalar pelo espírito natalino.

Com delicadeza, quem rompe o silêncio da Praça Agripino Grieco, em frente ao edifício, introduzindo a primeira música da apresentação é um menino, do alto dos seus 10 anos, e que está em vias de se profissionalizar como cantor. Ele é o solista principal do evento.

Thomas Barbeyron, morador de Copacabana e filho de um ex-cônsul da França no Brasil, é quem inicia o espetáculo com a mais clássica canção de Natal, “Noite de Paz”. Quem estiver impossibilitado de ir, poderá acompanhar ao vivo a transmissão online do ‘Janelas do Natal’ pelo link http://batistadomeier.org.br. A apresentação dura cerca de 40 minutos.

Reportagem de Luiza Gomes

Você pode gostar