Polícia prende acusado de participar de invasão a hotel na Zona Sul do Rio

'Magrinho' foi preso em um hospital, quando ele ia visitar o filho, que tinha acabado de nascer

Por felipe.martins , felipe.martins

RIo - Policiais da 11ª DP (Rocinha) prenderam, nesta quinta-feira, Davi Gomes de Oliveira, o 'Ar' ou 'Magrinho', 25 anos. A prisão aconteceu em um hospital, quando ele ia visitar o filho, que tinha acabado de nascer.

De acordo com informações da unidade, contra Davi havia mandado de prisão preventiva, expedido pela 35ª Vara Criminal da Comarca da Capital, por tráfico e associação para o tráfico. O bandido responde também pelos crimes de homicídio, sequestro e porte de arma. Ele é acusado de participar da invasão ao Hotel Intercontinental, localizado em São Conrado, em 2010.

'Magrinho' é suspeito de invadir hotel na Zona SulDivulgação

Ainda segundo informações, Davi era um dos investigados na Operação Gênesis, realizada pela 11ª DP, em setembro de 2014.

Invasão apavorou o bairro de São Conrado

Traficantes em fuga invadiram, em agosto de 2010, o Hotel Intercontinental, em São Conrado, na Zona Sul do Rio de Janeiro. A ação dos criminosos e a troca de tiros com polícia provocaram pânico na região, resultando em uma morte e quatro policiais feridos. Dez pessoas foram presas, entre elas um traficante conhecido como "Perninha", que era o segundo na hierarquia do tráfico na Favela da Rocinha. A polícia fez uma varredura no hotel em busca dos bandidos que invadiram o local naquela manhã e poderiam estar escondidos entre os hóspedes. Os policiais verificaram todos os mais de 400 quartos, pedindo a identificação dos hóspedes. Mas não encontraram nenhum suspeito.

Segundo informações da Polícia Militar, um grupo de traficantes em fuga se refugiou no local depois de trocar tiros com a polícia. No hotel, eles chegaram a fazer ao menos 30 funcionários e cinco hóspedes reféns. Eles se renderam à polícia e os reféns foram liberados. Foram apreendidos 8 fuzis, cinco pistolas e algumas granadas.

O confronto começou por volta das 8 horas. Segundo a polícia, um "bonde" de traficantes da Rocinha, que fica no bairro, estava voltando para a favela depois de ter passado a noite no Vidigal, morro próximo, dominado pela mesma facção criminosa. Na Avenida Niemeyer, que liga Leblon a São Conrado, o grupo encontrou com policiais do 23º BPM (Leblon). Começou então o tiroteio, que durou em torno de 10 minutos. Na fuga, 10 bandidos armados com fuzis invadiram o Hotel Intercontinental, em frente à praia, e fizeram 35 reféns na cozinha.

Foram quase duas horas de negociação com policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). A mãe de um dos bandidos, morador da Rocinha, chegou a ser chamada para convencer o filho a se entregar. "Eu pedi, mas ele não quis me ouvir", disse Dinalva, chorando muito na porta do hotel. Mesmo assim, minutos depois, o grupo libertou os reféns e se entregou à policia.

Além do Bope, policiais de outros dois batalhões cercaram a área. Até o "caveirão", o carro blindado da polícia, foi chamado para ajudar na operação.Uma mulher, identificada como Adriana Medeiros, foi morta durante a troca de tiros. A polícia disse que ela era a gerente financeira do tráfico na Rocinha. Quatro policiais ficaram feridos na ação,


Com informações do IG

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia