Pai de menino morto no Alemão diz que PM chamou filho de vagabundo

Família quer levar corpo para o Piauí e aguarda posição do governo para fazer traslado. Dilma se pronunciou sobre o caso

Por clarissa.sardenberg

Eduardo Ferreira estava sentado com o caderno escolar na porta de casa quando foi atingidoReprodução

Rio - José Maria Ferreira de Sousa e Terezinha Maria de Jesus estão inconformados com a morte do filho Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos. "Quando fui socorrer meu filho, o PM falou que eu era vagabundo que nem ele. Falou que matou um vagabundo que era filho de um vagabundo", declarou o ajudante de pedreiro. "Sou trabalhador, trabalho de carteira assinada", completou.

Terezinha declarou nesta sexta-feira que não quer mais permanecer no Rio após a morte do menino e que quer enterrar o filho no Piauí. Para isso, aguarda assistência do governo para traslado do corpo.

O casal passou a noite na casa de uma vizinha pois não conseguiu permanecer em casa após a morte do filho.

"Por volta das 3h os dois chegaram da delegacia, mas não conseguiram dormir. Terezinha só tomou um chá de erva cidreira. José Maria sofreu de falta de ar no meio de noite e eu acudi" contou a doméstica Raimunda Nonata.

"Por volta de 7h30, Terezinha foi para casa tomar um banho e trocar de roupa e acabou passando por onde o filho foi morto e viu sangue. Ela chorou muito e acabou passando mal", contou.

O casal tem cinco filhos, mas apenas Eduardo morava com os dois. Eduardo sonhava em ser bombeiro, segundo a família era o primeiro da classe e querido pelos professores. O menino iria começar dois cursos na próxima quarta-feira, um de informática e outro de gestão empresarial. Ele estudou no Ciep Maestro Franciso Migmome, em Olaria, e estava no quinto ano.

Segundo a irmã, Ana Flávia, "foi uma grande covardia o que fizeram com ele". "Eduardo era um menino estudioso, animado, que se divertia e gostava de jogar bola", disse.

Pezão determina assistência à família de menino morto no Alemão

José Maria F. de Souza (pai) e Terezinha Maria de Jesus (mãe)%2C pais do Eduardo de Jesus de 10 anos%2C morto durante tiroteio no Alemão Fabio Gonçalves / Agência O Dia

'Polícia não irá recuar', diz porta-voz da CPP

A Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) informou que trabalha no apoio à Divisão de Homicídios da capital na investigação da morte do menino Eduardo de Jesus, de 10 anos.

Segundo a CPP, policiais do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) e da própria instituição que estavam na ocorrência já respondem a Inquérito Policial Militar (IPM). Eles foram afastados do policiamento nas ruas e tiveram suas armas recolhidas para a realização de exame balístico.

O porta-voz da instituição, major Marcelo Corbage, disse se solidarizar com a família do menino e afirmou, nesta sexta-feira, que a morte de Eduardo não ficará impune.

"É prematuro tirar qualquer tipo de conclusão. Estamos colaborando com as investigações. A morte do Eduardo não ficará impune. Precisamos fazer deste episódio uma bandeira para a mudança. Não podemos permitir que outras famílias sintam a dor da mãe deste menino", afirmou Corbage.

O major reforçou que a polícia continuará atuando e pediu apoio à população do Complexo do Alemão.

"Não iremos recuar. Faço um apelo para que a população nos auxilie com denúncias e informações que nos façam chegar o mais rapidamente possível a esses marginais", solicitou Corgabe.

O major destacou que não se pode pensar segurança pública somente com o olhar voltado para as forças policiais:

"Segurança não é só polícia. O Estado vem solidificando estratégias sociais importantíssimas e complementares ao programa de pacificação. Sem esse pilar, não há progresso. Vivenciamos um período em que traficantes se utilizam cada vez mais de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. É uma questão muito séria e que a sociedade tem por dever discutir."



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia