Caxumba assusta cariocas

Secretaria contabiliza 606 casos suspeitos, recomenda vacinação e reconhece surto da doença

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Um surto de caxumba castiga as criancas do Rio, preocupa escolas e coloca em alerta as autoridades sanitárias. As secretarias de Saúde do município e do Estado já contabilizam 606 casos suspeitos nos primeiros seis meses de 2015, mais do que o total registrado em todo o ano de 2014 quando foram identificados 561 doentes .

O aumento da doença obrigou algumas das principais escolas particulares da cidade,como Cruzeiro, Andrews e PH a enviarem alertas aos pais. A maioria dos casos ocorre na Zona Sul e Barra da Tijuca. A Secraria de Saúde do município reconhece o surto, admite que há 606 suspeitas, mas diz que há apenas 66 casos confirmados. O secretário Daniel Soranz diz que não há razão para pânico, mas que cariocas e fluminenses têm de estar atentos à doença, comum no inverno e na primavera.

Secretaria de Saúde recomenda atenção com a vacina e pede que pais atualizem a imunização de crianças e adultos nos postos de saúde Uanderson Fernandes / Agência O Dia

“A principal recomendação é para os pais verificarem a carteira de vacinação. Quem não tomou, precisa tomar a vacina. E quem não sabe se tomou ou não, deve comparecer a um posto de saúde para tomar de novo”, explicou Soran. A eficácia da vacina, de acordo com a secretaria municipal de Saúde, é de 97%, ou seja, a probabilidade é de que a grande maioria dos casos registrados sejam de jovens e crianças que não estavam vacinados.

“Está havendo uma corrida aos postos de saúde, mas é preciso lembrar que as complicações da caxumba, como meningite viral ou mesmo esterilidade, são raríssimas”, explicou o subsecretário estadual de Vigilância, Alexandre Chieppe.

O professor de Infectologia Pediátrica da UFRJ, Edimilson Migowski, também garantiu não haver motivo para pânico. Ele lembrou que a vacinação contra caxumba, hoje em dia, é feita em duas etapas. A primeira, quando a criança completa um ano de idade. A segunda, com um ano e três meses, diferentemente do que se fazia décadas atrás, quando a segunda dose era aplicada entre 4 e 6 anos .

Clique sobre a imagem para a completa visualizaçãoArte O Dia

“Entre os adultos, se a pessoa tomou apenas uma dose da vacina, pode tomar a segunda. E quem não tomou nenhuma, deve tomar as duas, com intervalo de 30 a 60 dias”, disse Migowski, garantindo que não há registro de casos em que um pessoa tenha tido caxumba mais de uma vez na vida.

SECRETARIA INVESTIGA MORTE POR MENINGITE VIRAL

A estudante Juliana Guedes, de 13 anos, aluna do 1º ano do Ensino Médio, no colégio PH, filial Barrinha, estava internada havia dez dias em coma. A adolescente chegou ao hospital, há duas semanas, com quadro de meningite viral. Segundo amigos, ela foi atendida inicialmente no Hospital Barra D’or, e depois transferida para outra unidade. Médicos que atenderam a jovem contaram que ela sofreu várias convulsões. Médicos orientaram o isolamento respiratório dos casos suspeitos pelo período de 10 dias.

Na última terça-feira, Juliana não resistiu à doença. Em meio a muita dor e comoção, a adolescente foi sepultada no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na zona oeste da cidade. Nas redes sociais, amigos e familiares deixaram mensagens de despedida para a adolescente, a quem chamavam de ‘anjo’. “Estamos todos extremamente abalados. Foi muito triste. Quem puder, que ore por esta família”, disse uma amiga.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, até o momento não há confirmação de que a meningite viral contraída por Juliana tenha sido causada por caxumba.

Dor de ouvido e febre alta

O menino Matheus Balthar, de 11 anos, está há uma semana sem ir para o colégio, onde cursa 6º ano no Colégio Cruzeiro de Jacarepaguá, por conta da caxumba. A mãe, Flaviane Balthar, 39, disse que os sintomas começaram com uma dor no ouvido, sem febre. No dia seguinte, a febre começou a despontar, chegando a quase 40 graus.

“Meu filho é vacinado, e foi contaminado na escola. O melhor amigo dele estava doente também. Dois dias depois, o Matheus apareceu se sentindo mal. O quadro foi só piorando”, conta a mãe. “ Na escola é muito fácil porque eles ficam em contato o tempo todo, em ambiente fechado”, completou Flaviane, que também é médica.

No Colégio Santo Inácio, em Botafogo, as mães estão preocupadas com o surto da doença. Flávia Dias, 36, advogada, mãe da pequena Isabela Dias, 7, aluna do 1º ano, sente-se aliviada com a chegada das férias. “Pelo menos o risco de contaminação é menor nas férias. O risco de contágio em sala de aula é alto, ainda que ela possa pegar até num parquinho”, disse Flávia.

Para Bianca Castro, 39, mãe da pequena Geovanna, 7, ter informações é fundamental para saber como agir. “Fiquei bastante preocupada porque precisamos estar atentas ao que cerca nossas filhas. No caso de um surto real, é importante ver as recomendações, como orientar as crianças na escola", disse. A Secretaria de Saúde informa que não há razão para pânico porque a caxumba é uma doença com raros casos de complicação.

Ações para evitar novos contágios

Para tentar reduzir o contágio de caxumba entre crianças e adolescentes escolas do Rio adotaram algumas medidas. O colégio Andrews, onde foram constatados cinco casos entre alunos do Ensino Médio e três em funcionários, notificou o Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira e as famílias.

No Colégio Alfa Cem, com unidades em Jacarepaguá e na Barra, e no Cruzeiro, os pais foram alertados para que a criança com sintomas da doença não seja levada à escola. “'A escola tem ambientes bem amplos e arejados. Usamos copos descartáveis e àlcool gel na limpeza', explicou a diretora, Maria Carolina. Com 11 casos desde abril, o Notre Dame está cobrando dos pais o compromisso com a atualização das carteiras de vacinação.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia