Prefeito de Seropédica reassume cargo após cassação

Para a Justiça, presidente da Câmara foi beneficiado, já que, além de presidir sessão do legislativo, foi um dos votantes a favor da medida

Por tiago.frederico

Rio - Após ter o mandato cassado pela Câmara de Vereadores de Seropédica, no último dia 10, Alcir Fernando Martinazzo voltará ao posto de prefeito daquele município da Baixada Fluminense. A decisão é do juiz Alex Quaresma Ravache, da 1ª Vara de Seropédica, que determinou nesta segunda-feira sua recondução imediata.

Vereadores tinham decidido afastar o político após surgirem denúncias sobre possíveis irregularidades cometidas pela Administração municipal. No período em que ele ficou afastado do cargo, o município foi governado pelo presidente do legislativo, o vereador Wagner Vinicius de Oliveira.

LEIA MAIS:

Prefeito cassado em Seropédica diz que foi vítima de ‘golpe’

Seropédica inicia caça aos funcionários 'fantasmas'

Irmão de ex-prefeito de Seropédica é encontrado morto à margem do Guandu

Para voltar ao cargo, Martinazzo entrou com um mandado de segurança na Justiça contra a mesa diretora e o presidente da Câmara Municipal de Seropédica, que foi concedido parcialmente por Ravache. A liminar suspende os efeitos do decreto de cassação. Na decisão, o juiz observou que o vereador Wagner Vinicius de Oliveira foi beneficiado com a cassação, já que, além de presidir a sessão realizada pelo legislativo, foi um dos votantes a favor da medida.

Alcir Fernando Martinazzo (arquivo)Estefan Radovicz / Agência O Dia

“Importante salientar que, por força do princípio da separação dos Poderes, não cabe ao Judiciário analisar o mérito da decisão da Casa Legislativa, pois se trata de ato de natureza política. Contudo, deve o Judiciário, quando provocado, examinar a regularidade do procedimento de cassação, a fim de garantir a observância do devido processo legal. No caso dos autos, como observa o Ministério Público, o vídeo da sessão de julgamento realizada pela Casa Legislativa evidencia que o então Presidente da Câmara Municipal - Vereador Wagner Vinicius de Oliveira - votou pela cassação do então Prefeito (01h48m do vídeo de fl. 462), apesar de ser diretamente interessado, por ser o substituto natural do impetrante no cargo de Chefe do Executivo, tendo em vista a vacância do cargo de Vice-Prefeito, falecido em 2014. Mais do que isso, o então Presidente da Câmara presidiu a sessão de julgamento que gerou a cassação do Prefeito, conforme demonstra o vídeo de fl. 462”, ressaltou o juiz.

Dessa forma, o juiz Alex Quaresma Ravache entendeu ser possível aceitar a alegação de violação ao processo legal, decorrente do voto e da presidência da sessão, por parte de pessoa diretamente beneficiada com a cassação. “Assim, revela-se prudente, ao menos por ora, prestigiar a soberania popular manifestada pelo voto direto da maioria dos eleitores do Município, conservando o mandato do impetrante, até que sejam analisadas, em cognição exauriente, todas as nulidades arguidas em relação ao processo de cassação”, concluiu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia