Complexo Olímpico terá cinco áreas para o uso de 1,5 milhão de moradores

Moradores de Deodoro e entorno serão contemplados com centros de esportes, áreas de convivência e de serviços sociais

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Os 1,5 milhão de moradores de Deodoro e seu entorno, incluindo pelo menos nove bairros e três municípios vizinhos, serão contemplados com centros de esportes, áreas de convivência e de serviços sociais nos 490 mil metros quadrados do complexo que está em construção no local para os Jogos de 2016. O projeto para a gestão do legado olímpico foi apresentado nesta quarta-feira pelo secretário executivo de Governo, Pedro Paulo Carvalho, que garantiu que, dessa vez, não será deixado elefante branco algum, como no Pan-Americano de 2007.

“Essa será a Olimpíada do legado, será o evento que causará a transformação na cidade do Rio de Janeiro”, afirmou o secretário.

O Complexo Esportivo de Deodoro será o segundo maior local de competições dos Jogos, com a disputa de 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas. Após 2016, o Parque Radical, como também é chamado, será dividido em cinco setores com opções de recreação e prática esportiva – incluindo uma ciclovia.

Operários trabalham na construção das arenas do Parque Olímpico%2C na Barra da Tijuca%2C onde uma escola será instalada após os Jogos de 2016Divulgação

No setor 1, uma grande piscina será feita para a população no local onde fica a estrutura das provas de canoagem slalom. O setor 2 será o mais dedicado à natureza, com trilhas ecológicas, equipamentos de ginástica. Já o setor 3 será o ponto de encontro das famílias, com churrasqueiras e espaços para eventos.

Uma ciclovia, uma pista de skate e uma pista de BMX para iniciantes farão parte do setor 4 do Parque Radical. Voltado para o cidadão, o setor 5 ofertará serviços para a comunidade. A intenção é instalar no local uma Nave do Conhecimento, uma Clínica da Família e equipamentos de educação ambiental.

Para a manutenção dos legados deixados pela Olimpíada, incluindo também o Parque Olímpico, em Jacarepaguá, que é a maior área de competição, a prefeitura traçou um plano para criar uma governança independente para as unidades. O grupo teria participação do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), prefeitura e a iniciativa privada. Umas das possibilidades de gerar renda para manter os locais é, além de patrocínio, criar eventos, alugar instalações esportivas e espaço para lojas e instituições educacionais privadas.


Material será usado na construção de três escolas

Parte da estrutura provisória de competições, montada no Parque Olímpico, será desmontada e o material utilizado para a construção de três escolas em outros locais da cidade. Uma será em São Cristóvão e outras duas em Jacarepaguá.

O valor total para a construção das instalações olímpicas, segundo a prefeitura, foi de R$ 38,2 bilhões — R$ 21,8 bilhões privado (57%) e R$ 16,4 bilhões de recursos públicos (43%). Desses, R$ 24,6 bilhões ficarão de legado para a cidade.

“Será um projeto que une o útil ao agradável. É o esporte de alto rendimento com projetos sociais e educação. Um presente para a comunidade esportiva que já vinha sendo discutido há cerca de dois anos com a prefeitura”, disse o superintendente do Comitê Olímpico Brasileiro, Marcus Vinícius Freire.

Uso misto na Barra da Tijuca

O Parque Olímpico, que está localizado em uma área de 1,18 milhão de metros quadrados em Jacarepaguá, terá 60% de seu terreno transformados em áreas públicas e 40% destinados a empreendimentos residenciais e comerciais. Das nove instalações esportivas do local, sete serão mantidas após 2016: Arenas Cariocas 1, 2 e 3, Parque Aquático Maria Lenk, Arena Rio, Velódromo e Centro de Tênis. Após os jogos, uma pista de atletismo, duas quadras de vôlei de praia e um alojamento para atletas serão construídos no local. A ideia é que o espaço seja compartilhado entre centros de treinamento de atletas de alto rendimento, instituições educacionais, áreas de lazer.

A Arena 3 do Parque Olímpico — que vai abrigar as competições de taekwondo, esgrima e judô paralímpico — é um dos destaques da proposta. Ela vai ser transformada em um Ginásio Experimental Olímpico (GEO) para 850 alunos da Educação Fundamental, em horário integral. Os estudantes terão estrutura para a prática esportiva de 10 modalidades.

A Arena 2 vai servir de centro de treinamento para atletas de alto rendimento. Já a Arena 1 terá utilização híbrida, com eventos culturais, esportivos e também área de treinamento de atletas.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia