Decisão judicial impede que banco faça contrato com governos

Bradesco alega que a proibição pode ter consequências “desastrosas”

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Um acórdão da Justiça do Rio anda tirando o sono dos administradores do Bradesco. A decisão, da 1ª Câmara Cível, impede que o banco faça, por cinco anos, contratos com os governos federal, estaduais e municipais e receba incentivos fiscais.

Em requerimento apresentado no mês passado à Justiça, o Bradesco alega que a proibição pode ter consequências “desastrosas” para o banco, seus clientes e “especialmente, para a estabilidade do Sistema Financeiro Nacional e para a sociedade brasileira como um todo”. 

Contas-salário

Apesar de o processo já ter ido para o Superior Tribunal de Justiça, o requerimento do Bradesco foi apresentado na 4ª Vara Cível de Petrópolis. O caso foi gerado pela contratação do banco pelo então prefeito Rubens Bomtempo (também condenado), para receber contas-salário de funcionários da prefeitura.

Sem concorrência

Como não houve concorrência para a escolha do banco, o Ministério Público e o ex-vereador Paulo Pires foram à Justiça.

Proteção na praça 

Alertado pelo Informe para o risco de acidentes na nova Praça Mauá, Eduardo Paes determinou que seja analisada a colocação de barreiras que impeçam a queda de crianças no mar. Promete também controlar a ação dos flanelinhas.

Rock inclusivo

O Procon estadual determinou que os ônibus do BRT garantam o embarque gratuito de pessoas com deficiência que se dirigem ao Rock in Rio.

Vento mineral

Levados pelo vento, resíduos de minérios levados para o Porto de Itaguaí pela CSN, Vale e MRS têm atazanado a vida dos moradores. Presidente da Cãmara, Nisan Cesar pediu ao estado para dar um jeito na bagunça.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia