Azul ou rosa?

Discriminação policrômica não é democrática; por isso mesmo, deve ser repelida

Por Arnaldo Niskier, membro da Academia Brasileira de Letras

opina7jan
opina7jan -

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, provocou uma polêmica daquelas ao afirmar que "agora é inaugurada uma nova era no país, em que menino veste azul e menina veste rosa". Ela pretendeu com isso reafirmar uma possível nova orientação institucional, em que os meninos assumiriam sempre os papéis de príncipes, e, por outro lado, as meninas seriam eternizadas como as princesas. Há controvérsias. Figuras notórias da nossa sociedade discordaram e usaram as redes sociais para postar fotos usando roupas de cor rosa, quando homens, ou então roupas de cor azul, no caso das mulheres. A declaração da ministra ensejaria um posicionamento contra o que ela chama de doutrinação ideológica de crianças e adolescentes que estava em curso no país, em sua opinião.

Após ser questionada, Damares Alves até tentou amenizar, mas a emenda, ao que parece, ficou pior que o soneto. Ela disse que a sua opinião não passava de uma metáfora contra a ideologia de gênero, e no final, o dito ficou pelo não dito, e que tudo bem, quem quisesse que vestisse azul, rosa, qualquer cor, o importante seria a pessoa se sentir bem com a escolha. Menos pior. Afinal, afirmações como essas representam um retrocesso, após a sociedade ter avançado muito nas questões ligadas à igualdade.

O que a ministra desconhece é que antigamente rosa (que representava força) era a cor determinante para o sexo masculino, e azul (que sinalizava delicadeza) correspondia ao sexo feminino. A inversão dos conceitos só veio a ocorrer após a Segunda Guerra Mundial. Sem falar que a colorização de personalidades tem muito a ver também com os interesses comerciais envolvidos. Basta ver os benefícios dos detentores de marcas como a boneca Barbie. E também as vantagens das lojas do setor de varejo quando os futuros papais descobrem o sexo dos filhos, através da ultrassonografia, e iniciam as compras das roupas de determinada cor.

Azul ou rosa? Parafraseando William Shakespeare, "eis a questão". Mas a indústria cinematográfica nos reserva algumas surpresas nesse capítulo relacionado às cores. Por exemplo: na adaptação feita por Walt Disney para o conto de fadas 'Cinderela', em 1950, a personagem usava azul. Aliás, ela "vestiu azul e a sua sorte então mudou", como diz a música 'Anjo Azul', de Nonato Buzar, de 1968. Era a época da Jovem Guarda, e a composição foi feita especialmente para uma mulher, no caso, a cantora Adriana. O cantor Wilson Simonal gravou também, no mesmo ano, só que trocou o título para 'Vesti Azul'. Ambas as versões fizeram grande sucesso.

A ministra Damares Alves já havia surpreendido a todos anteriormente, quando disse que viu Jesus Cristo quando estava em cima de uma goiabeira, o que virou motivo de chacota. Voltando ao embate 'azul x rosa', na nossa modesta opinião, realmente não se determina o sexo pela cor da roupa. Esse é um assunto com múltiplas particularidades, e o que mais existe no mercado são especialistas que estudam esta matéria, com argumentos robustos baseados em pesquisas e observações técnicas. A própria ministra Damares estava de azul quando deu a declaração infeliz, e não me consta que ela seja menino. É uma simplificação sem sentido trazida ao debate por ela. Essa discriminação policrômica não é democrática; por isso mesmo, deve ser repelida.

 

Galeria de Fotos

opina7jan ARTE KIKO
Arnaldo Niskier ABL

Comentários

Últimas de Opinião