Marta Relvas: Neurociência, aprendizagem e inclusão

Os estudos neurocientíficos revelam que a aprendizagem acontece, com particularidades, durante toda a vida da pessoa e o aprender rompe com a ideia passiva de assimilação de conteúdos

Por Marta Relvas*

Marta Relva
Marta Relva -
A fim de iniciar esta reflexão é fundamental elucidar que o cérebro humano é um sistema aberto e plástico e, nesse âmbito, constata-se a relevância da presença dos estudos da neurociência na prática escolar da aprendizagem inclusiva e humanizadora. A Neurociência é uma ciência que tem como objetivo estudar os aspectos anatômicos, funcionais, neuroquímicos e comportamentais que permeiam o sistema nervoso, em suas propriedades sensórias, motoras, emocionais e sociais do sujeito aprendente.

Os estudos neurocientíficos revelam que a aprendizagem acontece, com particularidades, durante toda a vida da pessoa e o aprender rompe com a ideia passiva de assimilação de conteúdos. A ação ativa do aprender necessita de uma complexa rede de operações neurofisiológicas e neuropsicológicas que ainda interagem com o meio ambiente.

A partir de então, entende-se que o ato de aprender é uma modificabilidade de comportamento que envolve a mente e o cérebro, e para tanto, entende-se que a neurociência é fundamenta como a ciência dos estudos dos processos vitais do sistema nervoso, e a educação como ciência do ensino e da aprendizagem, assim, as duas relacionam-se por proximidade devido à importância que o cérebro tem no processo de aprendizagem do indivíduo.

Estudos neurocientíficos comprovam que a plasticidade cerebral tem grande relevância para as conquistas: cognitiva, motora e emocional, diante das imensas possibilidades de informações que permeiam o cérebro humano. O funcionamento cerebral é moldado tanto ao longo da história da espécie como no desenvolvimento individual, isto é, a estrutura e o funcionamento do cérebro não são inatos, fixos e imutáveis, mas passam por mudanças no decorrer do desenvolvimento do indivíduo devido à interação do ser humano com o meio físico e social. (JOENK, 2002, p.03)

Diante disto, o desafio para a educação inclusiva e humanizadora não está em apenas saber como ensinar ou como avaliar o que foi ensinado, mas sim, apresentar e mediar a construção do conhecimento de maneira que o cérebro aprenda melhor e de forma significativa, contribuindo no que diz respeito ao reconhecimento do indivíduo como ser único, pensante, atuante, que aprende de uma maneira única e especial. Para tanto, metodologias e abordagens de ensino devem ser fundamentadas na neurociência para otimizar uma prática pedagógica de qualidade, includente e afetiva.
 
* Marta Relvas é autora do “Neurociência na prática pedagógica”.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários