Essa princesa foi uma das filhotes de uma mãe resgatada prenha de seis. Todos os seus irmãos foram bem adotados e hoje ela é o xodó da família de Nirvana, tem até festa de aniversário - Arquivo Pessoal - Nirvana Braga
Essa princesa foi uma das filhotes de uma mãe resgatada prenha de seis. Todos os seus irmãos foram bem adotados e hoje ela é o xodó da família de Nirvana, tem até festa de aniversárioArquivo Pessoal - Nirvana Braga
Por Ana Clara Menezes
Rio das Ostras - Rio das Ostras - Com a crise econômica provada pelo novo coronavírus, as ONGs e cuidadores de animais abandonados de Rio das Ostras, estão passando por dificuldades econômicas, uma vez que sobrevivem de doações e solidariedade das pessoas.
Para contar um pouco da história, a equipe O DIA conversou com Nirvana Braga, que é amante dos animais e compõem a diretoria da ONG Adote Rio das Ostras.
Nirvana em um passeio na praia, ao lado dos seus cães resgatados, uma veio de um canil clandestino, onde era usada para reprodução e sofria maus tratos. As outras duas foram resgatadas das ruas, com doença do carrapato - Arquivo Pessoal - Nirvana Braga
Publicidade
A protetora contou que com o aumento do desemprego provocado pela Covid-19, a instituição, que já vivia no ‘vermelho’, chegou a passar por muitas necessidades.
“Vivemos basicamente de doações, que conseguimos com campanhas nas redes sociais, foi aí que tivemos a ideia de fazer parceria com alguns artistas locais. Eles se dispuseram a nos ajudar com shows beneficentes transmitidos por lives, onde toda arrecadação foi destinada ao tratamento e alimentação dos nossos bichinhos”, disse Nirvana.
Publicidade
A vocalista da banda Mister Brazuca, Luciana Oliveira, a dupla As Florrozeiras e a casa de show Boteco foram os parceiros que abraçaram a causa da ONG.
A cantora de forró Fabiana Garcia, da dupla As Florrozeiras, disse que, o sentimento é de muita felicidade por estar contribuindo na alimentação dos animais que tanto precisam. “Infelizmente a instituição não recebe muita atenção da população, por isso resolvemos fazer a live. Ficamos muito felizes, por que depois da gente, outros artistas também resolveram ajudar”, frisou.
Publicidade
Nirvana contou que, entre as ações, foi arrecadado aproximadamente uma tonelada de ração, que foi dividida com um grupo de proteção e vários protetores individuais de Rio das Ostras.
Outra ideia que ajudou a ONG na pandemia, foi a campanha “Troca de Máscaras por Ração”, onde Nirvana e algumas parceiras viraram costureiras.
Publicidade
A cadela Maria Alice foi encontrada muito debilitada, sem pelo, com as tetas cheias de leite. Foi jogada nas ruas e hoje vive muito feliz na Suécia - Arquivo Pessoal - Nirvana Braga
A cuidadora também contou que, muitas das vezes, ela se sente como se tivesse “enxugando gelo”, pois falta conscientização na população.
Publicidade
“Nós resgatamos, acolhemos, cuidamos e encontramos um novo lar, porém, é necessário que todos tenham respeito e amor pelos animais. Aqui em Rio das Ostras, existem muitos abandonos e ausência de castração, com a pandemia, essa situação só piorou”, desabafou.
Nirvana disse que, atualmente, a ONG mantém quatro animais internados (2 cães atropelados, 1 gato com fraqueza e 1 gato com esporotricose avançada) em uma clínica particular parceira da cidade. “Estamos correndo atrás para ajudar no pagamento da clínica, pois, ainda que consigamos pagar parcelado, os tratamentos são caros”, completou.
Publicidade
O gatinho Valente se arrastou até os pés de uma protetora do grupo. Hoje, está internado, em recuperação - Arquivo Pessoal - Nirvana Braga
“Procuramos ajudar os protetores da região, pois graças as campanhas, conseguimos ganhar uma boa quantidade de ração. O maior problema é a falta de conscientização da população sobre a importância da castração para evitar futuros abandonos”, pontuou Nirvana.
Publicidade
“Também temos problemas para compra de medicamentos, pois em geral, são caros. Por exemplo, o tratamento de esporotricose em gatos, duram 6 meses com um medicamento, que sai por R$ 3 reais, a cápsula diária”, relatou Nirvana.
Outro problema apontado pela diretora da Adote Rio das Ostras, é a falta de local para lar temporário para os animais em recuperação e/ou em processo de procura de adoção. “Alguns amigos abrem a porta de casa para esse lar temporário, mas está cada vez mais difícil”, afirmou.
Publicidade
A cuidadora deixou um apelo à população da cidade:
“Peço que as pessoas demonstrem mais amor por seus animais, castrando-os, evitando o abandono, câncer e outras doenças”.
A gatinha Cristal, que foi adotada pelo seu novo <aspas>pai<aspas> Bruno, descansando no conforto do seu lar - Arquivo Pessoal - Nirvana Braga
Publicidade
ADOTAR É UM GESTO DE AMOR - O músico e jornalista, Bruno Pirozi, adotou uma gatinha na ONG e contou que hoje tem uma companheira de vida. "A Cristal levou um tiro de chumbinho. Quando a conheci, ela tinha acabado de passar por uma cirurgia, que custou R$ 3.000,00. Se hoje, ela está viva e me acompanha é graças ao trabalho da Adote Rio das Ostras. Fico muito feliz em ser um 'pai de gato'. Os felinos são encantadores". 
Para acompanhar o trabalho da ONG, acesse os perfis nas redes sociais: Instagram (@adoterioostras) e Facebook (@adoteriodasostras.rj). A Adote Rio das Ostras está localizada na Rua Niterói 1401, Jardim Mariléia. A conta para doações é: Banco Itau - Ag. 4261 - C/C 32085-9.