Por tiago.frederico

Rio - Após o Supremo Tribunal Federal (STF) mudar a decisão, o Ministério Público Federal (MPF) pediu nesta quinta-feira a execução provisória da pena do filho do bicheiro Turcão, Antônio Petrus Kalil Filho, e dos quatro policiais federais Cláudio Guerra, Emídio Gentil, Osvaldo Souza e Clodoaldo Lemos. A Justiça vai analisar se aceita ou não a solicitação da prisão preventiva do grupo, condenado por formação de quadrilha, prevaricação e corrupção. A execução da pena estava suspensa devido a recursos às instâncias superiores (STJ e STF).

As acusações envolvem favorecimento por parte de policiais federais ao bicheiro Turcão, preso na Operação Furacão, deflagrada em 2007. As investigações mostraram que o contraventor recebia tratamento privilegiado, com direito a paradas em restaurantes e reuniões secretas com parentes, amigos e até com a amante.

A proximidade era tal que policiais chegaram a intermediar de dentro da viatura da corporação um encontro de Turcão com sua namorada. Filho do bicheiro, Antônio Petrus Kalil Filho era quem intermediava o tratamento privilegiado de seu pai, fornecendo vantagem indevida aos policiais em troca do tratamento privilegiado dado pelo Setor de Custódia da PF.

Você pode gostar