Mais Lidas

'Escola serve de escudo para a PM', diz diretor de colégio onde jovem morreu

"A polícia agiu da pior forma possível na hora de socorrer a Duda. Eles começaram a atirar para cima e jogar bomba de gás lacrimogêneo. Houve uma correria e muitas crianças ficaram em choque", disse o Luiz Menezes

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Cenário em dois momentos da guerra entre policiais e traficantes nesta quinta-feira em Acari — quando a menina Maria Eduarda foi assassinada quando fazia educação física no pátio do colégio e no registro em vídeo da execução de dois homens, que estavam na calçada da unidade — , a Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza fica divisa entre o asfalto e a favela e, segundo o diretor da instituição, serve de escudo para os policiais durante confrontos. 

"Estamos dentro da comunidade e lá é fácil para ser atingida, já que e toda aberta. As vezes em momento de confronto a escola serve de escudo pra PM. Por conta do tiroteio de ontem várias paredes da escola foram atingidas, inclusive a minha sala", disse Luiz Menezes, que falou que o professor de Educação Física da menina também ficou ferido por estilhaços. 

Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza%3A Fronteira entre favela e asfalto e alunos no meio de fogo cruzadoEstefan Radovicz / Agência O Dia

De acordo com o diretor, além de Maria Eduarda havia pelo menos mais 30 crianças no pátio quando começou o tiroteio, num total de 350 alunos, que faziam outras atividades nas salas quando iniciou a troca de tiros. "No momento da morte da Duda uma amiguinha ainda se ajoelhou para tentar salvá-la. A polícia agiu da pior forma possível na hora de socorrer a Duda. Eles começaram a atirar para cima e jogar bomba de gás lacrimogêneo. Houve uma correria e muitas crianças ficaram em choque. Tivemos que socorrer as crianças e usar vinagre. Foi um tremendo despreparo", denunciou.

Cesar Benjamin, secretário municipal de Educação, esteve no IML, deu apoio à família e a secretaria vai pagar os custos do enterro de Maria Eduarda. Segundo ele, nesta sexta-feira há 25 unidades educacionais fechadas por conta de tiroteios nos bairros atendidos pela 6ª Coordenadoria Regional de Educação ( Costa Barros, Fazenda Botafogo, Acari, Pavuna, e Coelho Neto), totalizando 9583 alunos sem aula. Na unidade onde Duda morreu são 720 alunos divididos em dois turnos (manhã e tarde), 42 professores dando aulas do sexto ao nono ano. Escola ficará fechada por tempo indeterminado. 

"Desde ontem não paro de chorar. Foi uma tragédia o que fizeram ontem. Saí de minha casa e vim pessoalmente para dar apoio a toda a família. Queremos liberar o corpo o mais rápido possível. Entramos em contato com os órgãos necessários para que se faça a liberação", disse, ressaltando que 80 psicólogos vão dar apoio aos estudantes.

"Teremos que recomeçar do zero. Na semana que vem vamos encontrar pais, alunos, diretores e a responsável pela CRE para fazer um trabalho específico na escola", disse Benjamin.

?Reportagem do estagiário Rafael Nascimento

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia