Prefeitura começa a fiscalizar canudos de plásticos

Vigilância Sanitária notifica estabelecimentos sobre o prazo de 60 dias para banir o plástico

Por NADEDJA CALADO

Equipes da Vigilância Sanitária estiveram em Copacabana ontem
Equipes da Vigilância Sanitária estiveram em Copacabana ontem -

Rio - Bares, restaurantes e lanchonetes do município do Rio começaram a receber, nesta quinta-feira, notificação de equipes da Vigilância Sanitária sobre o prazo de 60 dias para banir os canudinhos de plástico. Nesse primeiro momento, não haverá aplicação de multas, apenas orientação. A capital fluminense é a primeira cidade do país a eliminar o uso dos canudos de plástico.

"Nem todos estão a par da nova lei, mas quem ainda não conhecia recebeu muito bem a notícia, principalmente porque explicamos os fundamentos técnicos, com o impacto ambiental e de saúde pública", explicou a subsecretária de Vigilância Sanitária, Márcia Rolim, que acompanhou a fiscalização ontem em Copacabana.

Muitos estabelecimentos que souberam da lei preferiram recolher de vez os canudinhos, como a lanchonete BigBi, na Rua Siqueira Campos. "Já estamos procurando fornecedores de canudos com materiais alternativos, devem ser um pouco mais caros, mas entendemos que é necessário", explicou o gerente, João Brito.

Em vigor desde quarta-feira, a lei municipal de autoria do vereador Dr. Jairinho (MDB) determina que só canudos de papel biodegradável ou reciclável poderão ser oferecidos pelos estabelecimentos.

Passado o prazo de 60 dias, se o comércio insistir no plástico, poderá ser multado em mais de R$ 1,6 mil, com reicidência em até R$ 6 mil. Os ambulantes registrados na prefeitura, com autorização para comercialização em espaços públicos, também poderão ser multados se descumprirem a lei.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro