Witzel extingue Secretaria de Segurança Pública

Ele oficializou o fim da pasta e apresentou sete nomes para sua equipe

Por ADRIANA CRUZ

Marcus Vinícius Braga será o titular da Polícia Civil no novo governo . Atual diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), ingressou na Polícia Civil como inspetor em 2002 e é delegado no Rio de Janeiro desde 2003. Já teve passagens por delegacias distritais e especializadas, como a Coordenadoria de Operações Especiais (CORE) e as delegacias de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), de Combate às Drogas e de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA).
Marcus Vinícius Braga será o titular da Polícia Civil no novo governo . Atual diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), ingressou na Polícia Civil como inspetor em 2002 e é delegado no Rio de Janeiro desde 2003. Já teve passagens por delegacias distritais e especializadas, como a Coordenadoria de Operações Especiais (CORE) e as delegacias de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), de Combate às Drogas e de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA). -

Rio - Com o anúncio oficial da extinção da Secretaria de Segurança Pública nesta terça-feira, o governador eleito Wilson Witzel divulgou os dois homens-fortes das polícias Civil e Militar, que ganharam status de secretários de estado. Como a coluna Informe do DIA antecipou, o delegado Marcus Vinicius Braga comandará a Civil e o coronel Rogério Figueiredo de Lacerda, a PM, como O Dia Online publicou em primeira mão. Enquanto Braga é considerado um policial operacional, Figueiredo é conhecido por defender a redução dos confrontos desnecessários. Ao todo já são 11 nomes do alto escalão, entre eles, o coronel Roberto Robadey Jr., da Secretaria de Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, que integra o staff do governador Luiz Fernando Pezão. Atualmente, há 18 secretarias, e a ideia é reduzir para um número que fique entre 11 e 12.

Na área da Segurança, Witzel planeja combater a estrutura do tráfico de drogas, principalmente com relação a lavagem de dinheiro e a logística, com a apreensão de armas e drogas. "O resto é enxugar gelo", disse. O governador eleito esclareceu que os convênios, especialmente com a União, assinados pela Secretaria de Segurança serão absorvidos pela Polícia Civil. "Mas é preciso entender que ainda não terminamos o período de transição", explicou Witzel, que descartou a possibilidade de acabar com a Secretaria de Administração Penitenciária. No entanto, ainda não há um nome fechado para assumir a pasta.

Nova estrutura desenhada

Com o fim da Secretaria de Segurança, a Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE), que terá como titular o delegado Marcus Vinicius Amim, volta para a estrutura da Polícia Civil, enquanto a Corregedoria Geral Unificada (CGU), que faz procedimentos administrativos para policiais civis, militares e bombeiros, vai para a Controladoria Geral do Estado, que terá à frente o delegado da Polícia Federal Bernardo Cunha Barbosa. O órgão é responsável por fiscalizar servidores civis.

O secretário de Polícia Civil, Marcus Vinicius já montou parte de sua equipe. Para o comando do Departamento Geral de Polícia Especializada, Delmir Gouvea; Antônio Ricardo Nunes, titular da Delegacia de Meio Ambiente ocupará a diretoria das Delegacias de Homicídio. A escolha não afeta os rumos das apurações das mortes da vereadora Marielle Franco, do PSOL, e de seu motorista Anderson Gomes. O crime ocorreu em março e os assassinos continuam soltos, mas os investigadores garantem aos generais responsáveis pela Intervenção Federal que encerram o caso este ano. Um dos cotados para a Corregedoria da instituição é o delegado Gladston Galeano.

O comandante da Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, tem 49 anos, dos quais 28 anos dedicados à corporação, e atualmente é o coordenador das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). O oficial possui especializações em Comunicação Social e em Educação Física, além do Curso Superior de Polícia Integrada e possui MBA em Gestão de Segurança Pública.

Nos bastidores, a maior polêmica é a extinção da Secretaria de Segurança, que atuou no combate à corrupção policial (com a Draco-IE e também com o trabalho da Subsecretaria de Inteligência). Para o presidente da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, Vinicius Cavalcante, o Rio será o único estado da federação a não ter um órgão desse tipo acima das polícias Civil e Militar.

"Acho que a secretaria deveria ficar mais enxuta. Mas não acabar", analisou Vinicius Cavalcante. Na opinião do especialista a falta da pasta vai prejudicar a integração entre as forças. Para blindar o governador eleito, Cavalcante sugeriu a criação de uma Subsecretaria de Inteligência diretamente ligada ao gabinete do governador eleito, Wilson Witzel.

Afastamento de outras atividades

Entre os futuros secretários anunciados, ontem, pelo governador eleito, o advogado Lucas Tristão, que vai assumir a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego e Renda, emitiu nota explicando suas relações profissionais. Segundo o jornal 'Folha de São Paulo', Tristão é sócio de Witzel em escritório de advocacia no Espírito Santo e defende a Átrio Rio, fornecedora de mão de obra para o estado, num processo judicial em que a empresa contesta o resultado de licitação na pasta de Educação.

Em comunicado, Tristão afirmou que "sempre atuou pautado pela ética profissional", "já notificou a todos os seus clientes sobre a renúncia aos mandatos que exerce representando-os" e "renunciará a todos os processos e se desvinculará de toda atividade privada antes de assumir a pasta". Witzel, afirmou que "se desvinculará dos escritórios e de todas as suas funções profissionais até a data de sua titulação, como determina a legislação. O mesmo será exigido de todos os seus secretários até as suas respectivas nomeações".

Na semana passada, Witzel havia anunciado Otávio Leite para o Turismo, e Gutemberg de Paula Fonseca, como secretário de Governo, além do advogado Cássio Coelho para o Procon e Sérgio Aureliano para o Rioprevidência.

Galeria de Fotos

Marcus Vinícius Braga será o titular da Polícia Civil no novo governo . Atual diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), ingressou na Polícia Civil como inspetor em 2002 e é delegado no Rio de Janeiro desde 2003. Já teve passagens por delegacias distritais e especializadas, como a Coordenadoria de Operações Especiais (CORE) e as delegacias de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), de Combate às Drogas e de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA). Divulgação
O delegado da Polícia Federal Bernardo Cunha Barbosa foi nomeado como futuro Controlador Geral do Estado. Com 45 anos, já atuou na condução de investigações de desvios de recursos públicos no Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais. Tem graduação em Ciências Navais, pela Escola Naval, e em Direito, pela UERJ. É especialista em Criminologia pelo Instituto Superior do Ministério Público-RJ e atualmente cursa pós-graduação em Direito Tributário na Fundação Getúlio Vargas. É professor da Escola Nacional de Delegados da Polícia Federal. Divulgaçao
Lucas Tristão é nomeado para pasta de Estado de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego e Renda. O futuro secretário é advogado tributarista, especialista em recuperação de empresas e administração de passivo fiscal. Se formou na Universidade de Vila Velha, onde atuou como advogado em toda a Região Sudeste. fotos Divulgação
Polícia Militar será comandada por Rogério Figueiredo de Lacerda. O coronel é hoje coordenador das UPPs e tem especializações em Comunicação Social, Educação Física, além de MBA em Gestão de Segurança Pública. Reprodução Facebook
O coronel Roberto Robadey Jr. continuará comandando a Secretaria de Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros no novo governo. É bacharel em Direito pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e tem pós-graduação em Defesa Civil e especialização em Combate a Incêndio Florestal. Durante sua trajetória profissional, ajudou a implantar e coordenar Defesas Civis Municipais em cidades como Cordeiro, Cantagalo e Macuco. Divulgação
José Luís Cardoso Zamith Reprodução Facebook
Procuradoria Geral do Estado ficará sob o comando de Marcelo Lopes da Silva. Reprodução Facebook

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro