Motorista é estuprada e morta na Rodovia Washington Luiz, em Caxias

Kátia Valéria Nunes Bastos, de 47 anos, foi asfixiada e morta. Um homem foi preso

Por O Dia

Rio - Uma motorista que prestava serviço por aplicativo foi encontrada morta dentro de um carro na Rodovia Washington Luiz, altura de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na madrugada desta terça-feira. Segundo a PM, militares do 15º BPM (Duque de Caxias) faziam um patrulhamento na via, altura do km 116, quando encontraram um carro caído às margens da pista. 

O corpo de Kátia Valéria Nunes Bastos, de 47 anos, foi encontrado dentro carro. De acordo com a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), responsável pela investigação, o carro pertencia à vítima, que era motorista de Uber.

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de que Kátia tenha sido estuprada e asfixiada. Um homem, identificado como Edvaldo Feliz Duarte dos Santos, foi detido pelos agentes ao tentar sair do local. Ele teria perdido o controle do veículo ao tentar se livrar do corpo.

Em nota, a Polícia Civil informou que "a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) está investigando o caso e, segundo as investigações, o suspeito teria solicitado o serviço da motorista e, durante o trajeto, teria forçado a vítima a manter relações sexuais, matando-a em seguida".

Procurada pelo DIA, a Uber, serviço para o qual ela trabalhava, disse estar chocada com o crime e disse que repudia qualquer violência contra a mulher. A empresa disse que o suspeito era cadastrado no aplicativo, mas que foi banido. 

"Ficamos chocados em saber que a motorista parceira foi vítima desse crime terrível. Nossos sentimentos estão com a família da Katia neste momento de dor. A Uber repudia todo tipo de comportamento violento contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos que envolvam qualquer forma de assédio ou violência. A empresa informa que o usuário envolvido foi banido e que está totalmente à disposição para colaborar com as autoridades no curso das investigações, nos termos da lei", diz o texto.

 

Últimas de Rio de Janeiro