Há dois meses, moradores sofrem com interdição da Av. Niemeyer

Na via, apenas algumas vans e micro-ônibus têm circulação permitida

Por Juliana Pimenta e *Jenifer Alves

Na via, um micro-ônibus que faz o trajeto Vidigal x Jardim de Alah
Na via, um micro-ônibus que faz o trajeto Vidigal x Jardim de Alah -

Rio - Com dois meses de interdição da Avenida Niemeyer completados neste domingo, moradores de São Conrado e da Rocinha, regiões próximas à via, continuam enfrentando problemas para sair e voltar para casa. A via, fechada em julho por meio de uma decisão judicial, foi alvo de uma sequência de deslizamentos de terra nos primeiros meses do ano.

"A situação continua desconfortável para os moradores, apesar de liberarem as vans com trajeto até o início de Copacabana e os micro-ônibus que circulam do Vidigal até o Jardim de Alah. O maior problema são com os moradores que precisam de transporte para os bairros do Jardim Botânico, Humaitá e Botafogo", destaca Márcio Faria, presidente da Associação de Moradores do Vidigal.

Para Daniel Delmiro, fotógrafo e morador do Vidigal, a circulação dos micro-ônibus foi conquista dos moradores. "Com o abaixo assinado e muita força conseguimos que a juíza Mirella Eirbisti autorizasse o transporte, que começou a circular há semana. São quatro micro-ônibus que fazem o trajeto Vidigal x Jardim de Alah, no intervalo de 10 em 10 minutos. Muitos moradores elogiaram adoraram a ideia e outros criticaram por conta do curto trajeto. Mas estamos vendo esses itinerários melhor agora. Lógico que vamos precisar de mais, mas é um caminho".

Para o presidente da Associação de Moradores, a expectativa é de que a via esteja com fluxo regularizado em breve. "Nós esperamos que as obras avancem com rapidez para que a Avenida Niemeyer seja reaberta com segurança para todos. Mas nós também sabemos que a reabertura da Avenida Niemeyer não depende da Prefeitura e sim de permissões judiciais”, destaca Márcio.


Prefeitura
 
Procurada pelo DIA, a prefeitura confirmou que já realizou todas as reparações devidas para viabilizar o fim da interdição. De acordo com o comunicado, a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação e a Geo-Rio estão tomando as precauções para que a Avenida Niemeyer volte a ter circulação plena. Por fim, a nota esclarece que estão sendo realizadas 54 intervenções para reverter os danos dos deslizamentos anteriores e que essas ações devem terminar em novembro.

Leia a nota na íntegra

"A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação e a Geo-Rio informam que todas as ações consideradas necessárias na Avenida Niemeyer, de acordo com o laudo feito pelos peritos judiciais, já foram realizadas. Informam ainda que todas as medidas de mitigação de risco tomadas pela Prefeitura, como o fechamento da via em caso de acúmulo de chuva de 10mm em uma hora, são mais do que suficientes para garantir a reabertura da via.
 
A Secretaria reafirma que não mede esforços para corrigir todos os danos causados pelo escorregamento e que está realizando 54 intervenções na Avenida Niemeyer, que incluem a demolição de casas e a eliminação da contribuição de esgoto.
 
Há, também, o plano de contingenciamento para fechar a via, após análise técnica que confirme essa necessidade.
 
As ações, com previsão de término em novembro e custo superior a 31 milhões de reais, têm o objetivo de mitigar e eliminar os riscos geológicos na região. Estão sendo realizadas, entre outras intervenções, colocação de drenos profundos, desmonte de blocos de rocha, restabelecimento do sistema de drenagem, limpeza da região e instalação de cortinas atirantadas."
 
*Estagiária sob supervisão de Thiago Antunes

Comentários