Após surtar, morador de rua mata duas pessoas a facadas no Humaitá

Outros quatro ficaram feridos após o desfecho do ataque. Personal tentou ajudar casal e acabou morto

Por Marina Cardoso

Moradores e pessoas que transitavam pelo Humaitá, na Zona Sul do Rio, viveram uma tarde de terror ontem. O desfecho de um ataque de um homem, identificado como Plácido Correa de Moura, 44, com uma faca resultou na morte de duas pessoas, além de cinco feridas na Rua Professor Abelardo Lobo, embaixo do Viaduto Saint Hilaire, que dá acesso ao Túnel Rebouças. Segundo a Polícia Civil, o suspeito é um morador em situação de rua que teria tido um surto e atingiu o engenheiro elétrico João Napoli, 35 anos, a namorada do rapaz, Caroline Moutinho, 30, e o personal trainer Marcelo Henrique Corrêa, 39, que tentou ajudar o casal. João e Marcelo não resistiram aos ferimentos e morreram. Além deles, mais quatro ficaram feridos, mas por disparos de PMs para conter o esfaqueador. 

O ataque ocorreu quando o carro em que estavam João e Carol foi abordado pelo morador de rua no sinal. O homem acertou João. Carol ao ajudar o namorado acabou atingida na mão. Os dois saíram do veículo para se proteger, mas ela foi mais uma vez atingida, desta vez no abdômen. Os dois estavam com casamento marcado para o próximo dia 16. 

Segundo a Polícia Civil, Marcelo passava pelo local quando se deparou com o ataque. Ele foi socorrer as vítimas, mas acabou sendo atacado também pelo morador de rua.

TASER NÃO FOI SUFICIENTE

Enquanto o ataque ocorria, testemunhas acionaram PMs do Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (BPTur), que estavam próximos. Os agentes tentaram parar o morador de rua com uma pistola "taser", de choques elétricos, porém não foi suficiente para contê-lo. Agentes do 19º BPM (Copacabana) foram até o local. 

Em seguida, os PMs atiraram no morador de rua. Entretanto um dos disparos acertou um dos policiais do 19º BPM, identificado apenas como Mauro. Além do agente, mais duas pessoas foram feridas: a enfermeira dos Bombeiros Girlane Sena, atingida na perna, e o capitão Fábio Sena, também da corporação, ferido por estilhaços. Os dois foram atendidos e o quadro de saúde é estável. O morador de rua só parou a série de ataques ao ser baleado pela segunda vez. 

João e Marcelo foram levados ao Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, mas não resistiram aos ferimentos. Carol também foi, mas no final da tarde acabou transferida para o Copa D'Or. O quadro dela é estável. Já o morador de rua permanece internado no Miguel Couto.

Segundo uma das irmãs de Marcelo, Herica Reis, o rapaz era uma pessoa super prestativa e sempre pronta para ajudar todo mundo. "O meu irmão foi ajudar, não tinha absolutamente nada a ver com essa história. E agora a gente nunca mais vai vê-lo. Ele era muito amado pela família, amigos e alunos", disse. Marcelo era o filho mais velho e o único homem de um trio de irmãos. 

Herica ainda contou que Marcelo estava em Botafogo e se dirigia para a casa da mãe, na Vila da Penha, Zona Norte da cidade, para almoçar com a família. Marcelo fez uma vídeo chamada em que a namorada Ana chegou a vê-lo caído.

Comentários