Do morro ao MAM: cenas de arte

Fotógrafos de comunidades retratam seus artistas locais na terceira exposição do Favelagrafia

Por O Dia

Bailarinas e artistas em geral do Complexo do Alemão estão nos cliques de Josiane Santana
Bailarinas e artistas em geral do Complexo do Alemão estão nos cliques de Josiane Santana -

A arte das favelas desceu para o asfalto e domina o Museu de Arte Moderna (MAM). As lentes dos nove fotógrafos do projeto Favelagrafia retratam as comunidades em que vivem pelo olhar atento da câmera. Na terceira edição, que teve início no sábado, a arte reproduz a própria arte por meio de retratos que representam as potências criativas locais.

"A mensagem da exposição é de que a favela é lugar de potência e talento, e não de pobreza e precariedade. A arte é mostrada tanto pelos representados quanto pelos fotógrafos", explica Aline Pimenta, diretora do Favelagrafia. Os nove profissionais trouxeram um novo conceito este ano, a videografia, que traz "um novo estágio de desenvolvimento dos fotógrafos, porque as habilidades e as complexidades envolvidas são diferentes das trabalhadas com as fotos", disse Aline.

Josiane Santana, fotógrafa do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, compreendeu melhor a relevância do local em que nasceu ao participar do projeto. A estudante de jornalismo encara a fotografia como cura e uma forma de esperança. "Estamos sempre fazendo coisas que possam dar esse respiro e possam fortalecer as favelas. É incrível abrir o jornal e ver que o morador da Rocinha vai para o Balé Bolshoi, por exemplo".

ORIGEM

O Favelagrafia nasceu em 2016 para apresentar as comunidades pelo olhar dos moradores, fugindo "da imagem comum e usual que associa favela a tráfico, arma e perigo", de acordo com Aline Pimenta. Depois de convocarem fotógrafos amadores e profissionais que queriam retratar suas raízes, a ideia já era fazer curadoria para uma exposição. "Depois que vimos o material, começamos a sonhar alto para a apresentação, mas nunca achamos que seria possível expor no MAM", contou.

Desde a primeira mostra no MAM em 2016, a ideia sempre foi apresentar a arte do morro para o asfalto e trazer notoriedade para os fotógrafos. "Existe um muro invisível que separa asfalto de favela, e propomos também uma reflexão que espaços culturais são abertos de forma desigual", concluiu.

Foto no futuro das comunidades

Na terceira edição do Favelagrafia, os fotógrafos participantes não se limitaram a retratar os personagens da comunidade local, mas também mostrar para os interessados como se fotografa.

Cada um dos nove expositores ficou encarregado de promover oficinas para ensinar a arte para jovens e crianças da área.

"Depois de 2016, os fotógrafos ficaram conhecidos nas favelas em que moram. Por isso, no projeto deste ano, pensamos que cada um poderia fazer workshops. A experiência foi muito interessante, porque não foi para a formação de fotógrafos, mas para inspirar", ressaltou Aline Pimenta. 

"Quem sabe não estamos ajudando no nascimento de novos apaixonados pela fotografia?", comentou ainda a diretora do projeto.

Para os fotógrafos, a vontade de ensinar veio com naturalidade e acabou gerando laços especiais com a garotada, que vai aprendendo a reconhecer as belezas e riquezas que os cercam diariamente.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários