Homem morre após ser baleado na cabeça na comunidade Barreira do Vasco

Francisco Laércio de Lima, de 26 anos, voltava do trabalho quando foi surpreendido pelos tiros

Por O Dia

Moradores se indignaram com a morte do garçom e protestaram ontem à tarde; viradão cultural que ocorreria no local foi cancelado
Moradores se indignaram com a morte do garçom e protestaram ontem à tarde; viradão cultural que ocorreria no local foi cancelado -
Rio - Um homem morreu após ser baleado na cabeça, na comunidade Barreira do Vasco, em São Cristóvão, na manhã deste sábado. Francisco Laércio de Lima, de 26 anos, era gerente de um bar na Lapa e voltava do trabalho quando foi surpreendido pelos disparos. Pelo menos um tiro atingiu Francisco na cabeça. 
De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Militar, equipes do Grupamento Tático de Polícia de Proximidade realizavam patrulhamento quando foram informados da presença de criminosos armados na Comunidade Barreira do Vasco. Chegando ao local, os policiais foram alvo de disparos de arma de fogo e houve confronto. Durante a ação, o morador foi atingido e não resistiu.
Segundo moradores, Francisco voltava pra casa por volta das 7h, carregando uma sacola e um copo de café, quando policiais da UPP da comunidade surgiram no beco em que ele estava. Ainda de acordo com testemunhas, os agentes teriam pedido para todos os moradores saírem do local e começaram a atirar. Francisco tentou se defender em uma parede, mas ainda assim foi atingido por pelo menos um tiro na cabeça.
"A Polícia Militar lamenta a morte de Francisco Laércio de Lima e esclarece que iniciou de forma imediata, através da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), a apuração das circunstâncias desta ação policial, em relação ao protocolo determinado para ações desta natureza, que deve se basear em dados de inteligência e planejamento prévio", diz o comunicado da corporação.
A investigação está a cargo da Delegacia de Homicídio (DH) da Polícia Civil e, em paralelo um Inquérito Policial Militar (IPM), seguirá os trâmites internos da Corporação.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro