Movimento Vem Pra Rua reúne poucos manifestantes no Rio e protesta contra STF

Decisão acabou permitindo a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso há um ano e sete meses

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Rio - No Rio, o Movimento Vem Pra Rua reuniu poucas pessoas na manhã deste sábado, na Praia de São Conrado, na Zona Sul, para protestar contra o Supremo Tribunal Federal (STF) por impedir a prisão em segunda instância. A decisão acabou permitindo a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso há um ano e sete meses.

Os manifestantes se reuniram em torno de um pequeno carro de som e ocuparam menos de um quarteirão da praia de São Conrado, bem em frente ao prédio onde mora o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Muitos deles estavam vestidos de preto em protesto contra o STF. A maioria, no entanto, manteve a tradição do movimento e se vestiu de verde e amarelo.

"A decisão do STF foi um golpe, um ato político", discursou uma das organizadoras do evento, Adriana Balthazar, do Vem Pra Rua/RJ. "Estamos na rua para pedir o fim da impunidade."

"A gente acordou com uma sensação de ressaca, sabe, dor de cabeça, uma sensação muito ruim", afirmou o administrador Bruno Miller, de 54 anos, que participava da manifestação ao lado da mulher, a advogada Karen Cabral, de 42 anos. "A gente dá dez passos para frente e cinco para trás, mas o Brasil está mudando, vai mudar."

Nos cartazes dos manifestantes, as palavras de ordem eram "Prisão em segunda instância sim, impunidade não", "Lula volta para a cadeia", "Meu partido é o Brasil" e "A nossa bandeira jamais será vermelha".

Comentários