Guarda Municipal participa de campanha pela criminalização do uso do cerol e da linha chilena em Copacabana

Mobilização contou com 250 motociclistas em ato simbólico pelas vítimas

Por O Dia

Motociclistas do Rio fazem campanha contra uso de cerol e linha chilena nas pipas
Motociclistas do Rio fazem campanha contra uso de cerol e linha chilena nas pipas -
Rio - A Guarda Municipal do Rio participou, na manhã deste sábado, da segunda edição da campanha Cerol Mata, que reuniu cerca de 250 motociclistas em 'motociata' pelas ruas da cidade e em ato simbólico na Praia de Copacabana, Zona Sul. 
O ato contou com a instalação de mil pipas pretas, na altura do Posto 5, em memória das vítimas das linhas cortantes. Os organizadores da campanha pedem a criminalização do uso do cerol e da linha chilena nas pipas; e a mobilização, desta vez, ocorreu simultaneamente em outras capitais, como Salvador, Curitiba, Brasília, Maceió, além de cidades do interior de São Paulo e do grande ABC paulista.
Ato contou com a instalação de mil pipas pretas, na altura do Posto 5, em memória das vítimas das linhas cortantes - Guarda Municipal / Divulgação
 
No município do Rio é proibido o uso e a comercialização das linhas chilena (composta de quartzo e óxido de alumínio), de cerol (mistura de pó de vidro com cola de madeira) ou de outros materiais cortantes em pipas, papagaios, pandorgas e semelhantes.
"A Guarda Municipal atua em diversos projetos socioeducativos e esse tema já entrou para o roteiro de atividades da Ronda Escolar. Essa campanha chegou para mobilizar as famílias e toda a população sobre o perigo que essas linhas cortantes podem ocasionar, como sequelas e até casos de morte. O guarda municipal flagrando o uso pode orientar, retirar e apreender o produto. O nosso Grupamento Especial de Praia Já fez diversas apreensões desse tipo. Os pais devem se atentar sobre o perigo e vamos soltar pipa com a linha pura", afirmou a comandante da Guarda Municipal, inspetora geral Tatiana Mendes.
Idealizada por Leo Ferreira em 2014, a campanha busca soluções para acabar com o uso e a venda dos produtos na cidade e já conseguiu influenciar na aprovação de duas leis estaduais (nº 7.784 de 13/11/2017 e nº 8.478, de 19/07/2019) e uma municipal (nº 1.834 de 18/04/2016), que instituiu 14 de dezembro como dia da campanha Cerol Mata. A lei nº 8.478 prevê multa de R$ 342,11 pela compra, uso, porte ou posse dos materiais. A legislação anterior punia apenas o comerciante e o fabricante do cerol.
Casos decorrentes da linha chilena
Em abril, Eloah Oliveira, de 8 anos, foi uma das vítimas do uso indevido da linha chilena. A menina teve a perna direita amputada quando foi atingida ao atravessar uma passarela em Realengo, Zona Oeste da cidade. 
Horas antes do caso da menina Eloah, um jovem de 26 anos deu entrada no Hospital Albert Schweitzer, também em Realengo, após ter o pescoço e a mão cortados por uma linha chilena, na Avenida Brasil. Ele levou 14 pontos no pescoço e três pontos na mão.
 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Motociclistas do Rio fazem campanha contra uso de cerol e linha chilena nas pipas Guarda Municipal / Divulgação
Ato contou com a instalação de mil pipas pretas, na altura do Posto 5, em memória das vítimas das linhas cortantes Guarda Municipal / Divulgação

Comentários