Angra reage à violência

Fuga de traficantes do Rio para a região causa insegurança. Governo planeja ofensiva

Por Bruna Fantti e Thuany Dossares

Angra dos Reis
Angra dos Reis -

A operação para criar três UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) em Angra dos Reis, na Costa Verde do Estado do Rio, deverá começar nos próximos dias. O efetivo para a ação sairá de batalhões da capital, que cederão de dois a três agentes para compor o policiamento na região. Agentes que já residem no interior terão prioridade nessa seleção, conforme apurado por O DIA.

Na próxima segunda-feira, o governador Wilson Witzel irá se reunir com o prefeito de Angra, Fernando Jordão, para discutir soluções sobre a criminalidade no município.

Uma das medidas já foi anunciada: o 33º Batalhão (Angra), responsável por uma área equivalente a 420 mil campos de futebol, receberá um caveirão. "Ainda não há data para o blindado chegar, mas será logo. O veículo vem do 27º BPM (Santa Cruz)", afirmou o coronel Marcio Alexandre Fófano, que assumiu a unidade há 30 dias com o desafio de lidar com uma guerra entre facções de traficantes.

No último fim de semana, sete corpos, de jovens entre 15 e 26 anos, foram encontrados em um caminhão. "Estamos investigando. A principal linha é a de que as mortes sejam pela disputa territorial do tráfico", afirmou Celso Gustavo Ribeiro, titular da 166ª DP (Angra). De acordo com o investigador, que atualmente é o único delegado lotado na unidade, 80% dos homicídios no município estão ligados ao tráfico.

O Instituto de Segurança Pública (ISP) aponta o aumento da letalidade. Se em 2014 foram 75 vítimas de homicídios dolosos, em 2018 foram 132. Nesse período houve a consolidação da milícia Três Pontes, na Zona Oeste do Rio, que fez com que traficantes da região migrassem para a Costa Verde, conforme denúncias do Ministério Público Estadual.

Traficantes do Rio levam fuzis

No Parque Belém, o traficante Helder da Silva, o HD, é apontado como chefe. Ele possui 13 anotações criminais pelos crimes de homicídio, tráfico de drogas, porte ilegal de arma, receptação, roubo e associação para o tráfico.

Em agosto, Helder recebeu Thomaz Jhayson Vieira Gomes, o 3N, morto quatro meses depois, em ação operação policial. Na época, 3N era um dos principais procurados da polícia e atuava em São Gonçalo, na Região Metropolitana. Segundo investigação, 3N teria fortalecido o arsenal de Parque Belém, cedendo fuzis. Somente este ano, a polícia apreendeu 22 fuzis em Angra.
 
Uma outra comunidade com concentração de armas com alto poder bélico é Camorim Grande. O local é apontado como o principal centro do Comando Vermelho na região e de controle de Elmo Silva Lopes Junior, o Juninho Nazaré, chefe da facção. O Portal dos Procurados do Disque Denúncia afirma que ele é o líder do tráfico de Volta Redonda e Barra Mansa, no Sul Fluminense.
 
Criminoso com farda da PM
 
Um homem apontado como traficante pela polícia e identificado como Alex Ozório foi filmado por um comparsa vestido com parte de uma farda da Polícia Militar e segurando um fuzil. O autor da imagem, feita em Angra dos Reis, na Costa Verde, é Júnior Gertrudes de Oliveira, o Juninho Corta Cabeça. Ele seria líder do tráfico de uma comunidade no município e possui nove mandados de prisão por tráfico e homicídio.

No vídeo, Corta Cabeça apresenta o grupo. "Estamos aqui. Eu, meu molequinho, duas pistolas: uma que perderam o pente e eu tomei porque perderam. E a Glock que me devolveram. Não é igual à minha, não, camuflada. Eu tô com a maior saudade dela", diz Corta Cabeça que, segundo a Polícia Civil, recebeu o apelido após decapitar uma vítima.

De acordo com o delegado Celso Gustavo Ribeiro, titular da 166ª DP (Angra dos Reis), criminosos costumam utilizar fardas para confundir a população. "Isso iria facilitar uma falsa blitz, por exemplo, onde parariam os carros para roubar. Sobre o Corta Cabeça, somente este ano já pedimos seis mandados de prisão contra ele, por vários crimes", afirmou.

O inquérito da delegacia, instaurado no início da semana, pretende identificar todos os homens que aparecem na filmagem.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários