Chacina encomendada no presídio

A mando de miliciano, crime aconteceu há oito meses, em São Gonçalo: quatro mortos e sete feridos

Por O Dia

Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Daniel Castelo Branco / Agência O Dia -

"Estão achando que só vocês que fazem chacina?" Essa foi a provocação do miliciano Anderson Cabral Pereira, o Sassa, aos seus companheiros de cela, que integravam o grupo paramilitar de Itaboraí, na Penitenciária Bandeira Stampa, conhecida como Bangu 9, no Complexo de Gericinó. Ele é apontado pela Polícia Civil como o mandante da Chacina do Campo da Brahma, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, em maio de 2019, e a declaração foi dada no dia do crime. Quatro pessoas foram mortas e sete ficaram feridas por disparos de arma de fogo.

De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo, Sassa estava em sua galeria quando mandou os outros detentos assistirem televisão e prestarem atenção nas reportagens, porque ele havia ordenado um atentado em um bar em São Gonçalo.

Em outubro do ano passado, policiais da DH apreenderam um celular usado pelo miliciano dentro de sua cela.

Atirador identificado

A chacina foi motivada por um desentendimento entre Sassa e uma das vítimas sobreviventes. O escolhido por ele para executar o crime teria sido seu irmão de consideração, Ronan Azevedo Bento, conhecido também como Jogador.

Por meio de depoimentos de testemunhas, a Delegacia de Homicídios descobriu que ele seria um dos quatro ocupantes do veículo Hyundai HB20 preto, que atiraram contra cerca de 50 pessoas que confraternizavam num bar, em frente ao Campo da Brahma, no bairro Porto Velho.

"O Ronan é o principal responsável por cumprir as ordens passadas pelo Sassa de dentro da cadeia e, assim, dar continuidade às atividades dessa milícia", explicou o delegado Leonardo Affonso. Alguns estojos de pistola arrecadados no local do crime eram semelhantes aos arrecadados no assassinato do irmão de um dos feridos, que foi cometido em outubro de 2018, há menos de 100 metros do bar.

Além de Ronan, outros criminosos identificados apenas pelos apelidos de Japão, RD e Rato também estariam no carro.

A DH pede à população que colabore com informações sobre a localização de Ronan através do Disque Denúncia, ligando para (21) 2253-1177 ou pelo Whatsapp da delegacia (21) 99820-5492. O anonimato é garantido.

Sássa ordenou outra chacina menos de dois meses depois

A milícia liderada por Sássa atua nos bairros Gradim, Porto Velho, Porto Novo e Boa Vista, em São Gonçalo. De acordo com as investigações da DH de Niterói, a organização criminosa controla a venda de gás da região e cobra taxas pelo serviço ilegal de segurança à comerciantes.

Na disputa com traficantes pela domínio das atividades criminosas, Sássa teria ordenado que Ronan executasse outra chacina, em julho do ano passado, num ponto de venda de drogas da favela do Crime, no Gradim. Três homens morreram e dois ficaram feridos.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Daniel Castelo Branco / Agência O Dia fotos de Daniel Castelo Branco
Bar onde ocorreu chacina em Porto Velho, no Campo da Brahma, em São Gonçalo Daniel Castelo Branco
Ronan Azevedo está foragido Reprodução
Ronan Azevedo Neto. Reprodução / Agência O Dia

Comentários