Com má qualidade da água, consumo de galões aumenta 50% no Rio

Dado é do Sindicato da Indústria da Água Mineral, que registrou também o aumento de 30% no consumo de garrafas de água mineral. Nos supermercados, população se queixa da baixa oferta do produto - só encontram garrafas pequenas e com gás

Por Maria Luisa de Melo

Em supermercado no Centro, muitas pessoas reclamam da falta de garrafas grande de água sem gás
Em supermercado no Centro, muitas pessoas reclamam da falta de garrafas grande de água sem gás -

Uma semana após moradores de diversos bairros da cidade denunciarem a má qualidade da água que está chegando às torneiras, as garrafas de água mineral viraram artigo de luxo nas prateleiras dos supermercados.

Na Tijuca, na Zona Norte, a advogada Vera Barros peregrinou em busca de água nos supermercados do bairro. Mas a procura foi em vão. "Não tinha em mercado nenhum daqui da região da Rua Uruguai. Só tem água com gás. E, mesmo assim, passou de R$ 2,49 pra R$ 4", reclamou.

O mesmo aconteceu com o jornalista Igor Cardoso, que também reside na Tijuca. Não encontrou água mineral disponível em nenhum dos dois supermercados que procurou. No Centro, a auxiliar de escritório Tânia Maria, de 57 anos, só encontrou água com gás. "A água da torneira continua saindo com gosto péssimo. Daí, a gente vem comprar a mineral e também não encontra", disse ela.

O aumento na procura é justificado por dados do Sindicato Nacional da Indústria de Água Mineral. O consumo de garrafas d'água cresceu 30% e o de galões teve um aumento de 50%.

Em Paciência, na Zona Oeste, a estudante Jaqueline Leocádio, de 37 anos, conta que a água já não chega mais tão turva à sua residência. Mas o odor ainda é forte. "Até no banho você sente o cheiro de terra", contou.

Procurada, a Cedae informou que o carvão ativado que deverá ser usado na Estação de Tratamento do Guandu deve chegar hoje. E, a partir da próxima semana, a companhia adotará, em caráter permanente, a aplicação do produto. "Isso será feito para garantir que a geosmina (substância produzida pela bactéria de uma alga) seja retida", informou em nota. A empresa reafirma que a substância não faz mal à saúde.

 

População deve registrar problemas

Professor do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Faculdade de Engenharia da Uerj, Gandhi Giordani explica que a população deve continuar evitando o consumo de água que tenha qualquer cheiro ou sabor. "Se tem cor ou odor, não é potável", diz. "Além de ferver, é importante trocar as velas dos filtros. Devido ao tempo de uso, algumas podem estar saturadas ou inadequadas", ensina. O professor também indica que a população afetada registre reclamações no Serviço de Atendimento ao Cliente da Cedae. "Tem que registrar para evitar subnotificações", completa.

DICAS PARA EVITAR CONTAMINAÇÃO

ÁGUA INDUSTRIALIZADA

Priorize o consumo de água mineral, seja em garrafas ou em galões comprados com revendedores confiáveis. Para aqueles que não tiverem condições de comprar a água industrializada, a recomendação é filtrar e ferver o líquido antes de qualquer uso.

BANHO E ESCOVAÇÃO

Como a investigação sobre o que está causando a turbidez e cheiro na água ainda está em andamento, a indicação é ferver o líquido até para tomar banho e escovar os dentes. "Dependendo do estado da água, escovar os dentes pode gerar contaminação", ensina o professor Gandhi Giordano.

ATENÇÃO AO RÓTULO

Como houve aumento no consumo, é preciso ficar atento para não comprar água falsificada. Especialistas alertam para detalhes como a obrigatoriedade do rótulo nos galões. "Tem que conferir se o galão possui o selo de empresas produtoras de água mineral".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários