Supermercados estão liberados de dar sacolas plásticas de graça

Alguns estabelecimentos, no entanto, não estão cobrando pelas bolsas na hora de empacotar compras

Por O Dia

Desde ontem os supermercados do Rio de Janeiro não são mais obrigados a fornecer duas sacolas plásticas gratuitamente aos clientes. Essa medida tem como principal objetivo estimular o consumidor a levar suas próprias bolsas reutilizáveis. Porém, alguns estabelecimentos comerciais decidiram não cobrar pelo produto.

A partir da Lei 8.006 — publicada em 2018 —, as sacolas plásticas distribuídas nos supermercados passaram a ter duas cores: verde e cinza. A primeira era para resíduos recicláveis, enquanto a segunda para materiais orgânicos. Apesar de ambas serem reutilizáveis em até 50 vezes, o ideal seria que a população adotasse as 'ecobags', com o intuito de reduzir o consumo de plástico.

Reportagem de O DIA visitou um supermercado na região central da cidade e viu que lá a distribuição de sacolas permanece gratuita. Márcia Gomes, de 43 anos, ao sair do local, revelou não ter sido cobrada: "Não teve nenhum valor a mais na notinha fiscal".

O caso foi parecido com o de Tasciano Dantas, que também recebeu de graça as sacolas. Atento à possibilidade de cobrança adicional, o cliente, de 29 anos, chegou a levar sua bolsa reutilizável, só que mesmo assim a atendente do mercado forneceu sacolas plásticas. Dantas falou sobre o desperdício: "Eu vim com a 'ecobag' justamente para não usar sacola, mas eles fizeram questão de dar".

A estimativa é que 4 bilhões de sacolas sejam distribuídas por ano no Rio de Janeiro. Devido ao fim da oferta de duas sacolas gratuitas, a partir de agora, a previsão é de que esse número caia pela metade.

Reportagem do estagiário Felipe Gavinho 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários