Em Nova Iguaçu, esgoto não tratado polui as bacias do Guandu e da Guanabara

Série sobre o Rio Guandu termina mostrando a situação de Montevidéu e Ipiranga, bairros cujo dia a dia é cortado por um valão de esgoto

Por Bernardo Costa

Em Montevidéu, Nova Iguaçu, moradores retiram água de poços rudimentares. Na foto, o morador Ademir Matheus
Em Montevidéu, Nova Iguaçu, moradores retiram água de poços rudimentares. Na foto, o morador Ademir Matheus -

No bairro Ipiranga, em Nova Iguaçu, quando o valão que corta o bairro transborda, as crianças ficam sem aula. O esgoto despejado no curso d'água toma a rua, e o acesso à Escola Municipal Visconde de Itaboraí fica inviável. A área está incluída no Projeto Saneamento Rural, do Comitê Guandu-RJ, cujos técnicos estão percorrendo 40 localidades dos 15 municípios da Bacia Hidrográfica do Guandu para elaborar um plano de obras para coleta e tratamento de esgoto.

O projeto tem como objetivo final apresentar soluções que possam ser viabilizadas pelos gestores locais. A Prefeitura de Nova Iguaçu, onde fica Ipiranga, promete avaliar e implementar as soluções apresentadas, em benefício da população.  

Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, fica na divisa das Bacias do Guandu e da Guanabara - baía onde deságuam os córregos que pegam dejetos desse e de outros bairros. Já em Montevidéu, distante 35 quilômetros, o esgoto tem como destino final o Rio Guandu. As duas regiões ainda não contam com saneamento básico. 

No Ipiranga, em Nova Iguaçu, esgoto passa na porta da casa dos moradores - Foto do leitor

"O esgoto das casas vai para o rio. Quando não tem encanamento, é despejado na rua ou em sumidouros", diz a manicure Kelly Cristina da Silva, que vive no Ipiranga.

A realidade é a mesma de Montevidéu. Na Rua Dona Lili, a principal do bairro, Ademir Matheus mostra o sumidouro nos fundos de sua loja de antiguidades. A estrutura tem 1,5 mil litros de capacidade e retém os dejetos sólidos. A parte líquida do esgoto penetra no solo. "A gente mesmo encontra nossa solução. Quando a capacidade do sumidouro esgotar, penso em descartar em algum solo, mas não em córregos ou rios", diz Ademir. 

No Ipiranga, há água encanada, mas os moradores comentam que a água fornecida pela Cedae em janeiro não estava boa. Já em Montevidéu, o abastecimento é por poços de água potável escavados por moradores.

Ademir também tem casa em Mesquita. E conta que teve que comprar água mineral na cidade vizinha. "A água estava imprestável, acabei comprando. E o preço do galão começou com R$ 8 e chegou a R$ 12", contou.

Indagada pela reportagem, a Cedae credita parte dos problemas apresentados ao "crescimento desordenado": "Levando-se em conta o passivo histórico de décadas de falta de investimentos em saneamento, a Cedae tem uma série de projetos em andamento para investir mais de R$ 5 bilhões em obras no estado, com especial atenção para a Baixada", diz a nota.

Segundo a empresa, o corpo técnico do Programa de Abastecimento de Água da Baixada e o Novo Guandu estuda incluir o bairro de Montevidéu nas obras. "Em relação ao esgotamento sanitário nas localidades citadas, cabe lembrar que os investimentos serão ampliados com o modelo de concessão, que prevê investimentos de cerca de R$ 32 bilhões", informou ainda a Cedae.

Esgoto a céu aberto no Ipiranga, em Nova Iguaçu - Foto do leitor

Projeto já possui o diagnóstico de sete municípios

O engenheiro ambiental Filipe Teske é um dos técnicos que estão percorrendo as áreas rurais para diagnóstico dos problemas e elaboração do plano de obras de saneamento.

Como a falta de saneamento nas áreas rurais interfere na água do Guandu?

Essas regiões ficam nas cabeceiras dos cursos hídricos que formam o Guandu. Nem todas impactam diretamente nele, mas a grande maioria sim. Sem o devido tratamento, o esgoto segue in natura por córregos e pequenos rios até chegar ao Guandu.

Algumas regiões já estão com o diagnóstico pronto?

Estivemos em 11 municípios até o momento. Temos dois relatórios prontos já apresentados às prefeituras, que contemplam sete municípios

Quais são eles?

Rio Claro, Piraí, Barra do Piraí, Miguel Pereira, Engenheiro Paulo de Frontim, Vassouras e Mendes.

 

Crescimento populacional agrava situação

Ademir Matheus mostra o sumidouro nos fundos do quintal de casa, em Montevidéu, Nova Iguaçu - Cléber Mendes

O crescimento populacional em Montevidéu tem trazido riscos para os moradores. Com novas casas sendo construídas, sumidouros estão sendo posicionados perto dos poços artesianos, o que pode contaminar a água para consumo. 

A situação tem provocado briga entre os moradores: "Um vizinho queria construir a fossa perto do meu poço e não deixei. Com mais gente chegando, a água está começando a ficar ruim. Às vezes, ela vem barrenta e as pessoas estão começando a comprar carro-pipa", disse o morador Augusto Mendes, de 67 anos. 

Sem saneamento adequado, mosquitos e ratos são outros fatores de risco para os moradores. No Ipiranga, Kelly Cristina da Silva conta que boa parte das pessoas que vivem no local já tiveram dengue ou chikungunya. 

"Eu peguei chikungunya há três anos e quase morri. Até hoje sinto dores fortes. Aqui, nós estamos abandonados, esquecidos", diz Kelly. 

 

Prefeitura: estações de tratamento a caminho

A Prefeitura de Nova Iguaçu informou que vem investindo em coleta e tratamento de esgoto em áreas com maior densidade demográfica. Segundo o órgão, cinco estações de tratamento estão em construção ou fase de testes nos bairros Cacuia, Rodilândia, Inconfidência, Riachão e Palhada. A prefeitura ainda estuda projetos de saneamento para outras áreas, como Ipiranga e Montevidéu.
E que aguarda os planos do Comitê Guandu-RJ. A prefeitura alegou que a coleta de lixo nas duas regiões é feita três vezes por semana. Em relação à iluminação pública, o órgão disse que pedidos de substituição de lâmpadas queimadas podem ser feitos junto à Ouvidoria, pelo telefone 2666-4910 ou pelo site www.novaiguacu.rj.gov.br/ouvidoria/.

Galeria de Fotos

Em Montevidéu, Nova Iguaçu, moradores retiram água de poços rudimentares. Na foto, o morador Ademir Matheus Cléber Mendes
Ademir Matheus mostra o sumidouro nos fundos do quintal de casa, em Montevidéu, Nova Iguaçu Cléber Mendes
Rio,12/02/2020- NOVA IGUACU,Bairro Montevideo, Especial ,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu,na foto. moradores reclamam dos problemas .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Rio,12/02/2020- NOVA IGUACU,Bairro Montevideo, Especial ,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu,na foto. Ademir Matheus .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Rio,12/02/2020- NOVA IGUACU,Bairro Montevideo, Especial ,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu,na foto. Ademir Matheus .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Em Montevidéu, Nova Iguaçu, moradores retiram água de poços rudimentares. Na foto, o morador Ademir Matheus Cléber Mendes
Em Montevidéu, Nova Iguaçu, moradores retiram água de poços rudimentares. Na foto, o morador Ademir Matheus Cléber Mendes
Ademir Matheus mostra o sumidouro nos fundos do quintal de casa, em Montevidéu, Nova Iguaçu Cléber Mendes
Rio,12/02/2020- NOVA IGUACU,Bairro Montevideo, Especial ,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu,na foto. Jenifer Barboza .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Ademir Matheus mostra o sumidouro nos fundos do quintal de casa, em Montevidéu, Nova Iguaçu Cléber Mendes
Esgoto a céu aberto no Ipiranga, em Nova Iguaçu Foto do leitor
Sujeira e alagamento em pontos distintos do valão do bairro Ipiranga, área rural da Baixada Fotos do leitor
Série Esquecidos do Gaundu. Projeto Saneamento Rural, do Comitê-Guadu RJ está realizando diagnóstico para plano de orbas de esgotamento sanitário em áreas rurais da Bacia do Guandu. Na foto, valão do bairro Ipiranga Foto do leitor
No Ipiranga, em Nova Iguaçu, esgoto passa na porta da casa dos moradores Foto do leitor
Série Esquecidos do Gaundu. Projeto Saneamento Rural, do Comitê-Guadu RJ está realizando diagnóstico para plano de orbas de esgotamento sanitário em áreas rurais da Bacia do Guandu. Na foto, valão do bairro Ipiranga Foto do leitor
No Ipiranga, em Nova Iguaçu, esgoto passa na porta da casa dos moradores Foto do leitor
Série Esquecidos do Gaundu. Projeto Saneamento Rural, do Comitê-Guadu RJ está realizando diagnóstico para plano de orbas de esgotamento sanitário em áreas rurais da Bacia do Guandu. Na foto, valão do bairro Ipiranga Foto do leitor
VALE ESTA ARTE O DIA

Comentários