Polícia Civil descobre que João Pedro foi atingido por tiro de fuzil calibre 5.56

O projétil ficou alojado no corpo do menino e já foi enviado para ser feito confronto balístico com os fuzis dos policiais

Por Thuany Dossares

João Pedro Pinto tinha 14 anos ao ser morto, na segunda-feira
João Pedro Pinto tinha 14 anos ao ser morto, na segunda-feira -
Ri - A Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) já descobriu que João Pedro Matos Pinto, de 14 anos, morreu após ser atingido na barriga por um tiro de fuzil calibre 5.56. O estudante foi baleado na segunda-feira, durante uma troca de tiros entre agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil e da Polícia Federal (PF) e traficantes do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.

"O laudo de necropsia já ficou pronto, o projétil do fuzil ficou alojado, não transfixou. Já encaminhamos o material para o Instituto de Criminalística para ser feito o confronto balístico com as armas dos policiais que foram apreendidas. Só com o resultado do confronto é que vamos descobrir de onde partiu o disparo que atingiu o João Pedro", explicou Allan Duarte, delegado titular da especializada.

De acordo com Allan, uma pistola e quatro fuzis, incluindo os de calibre 5.56, que foram utilizados por policiais da Core foram apreendidos para exame pericial. O resultado do confronto balístico deve sair nos próximos dias.

Para esclarecer ainda melhor os detalhes da operação, o delegado garantiu que também pretende realizar uma reprodução simulada do caso, que deverá ser feita em até 30 dias. "Penso em fazer ainda dentro desse período que tenho para concluir o inquérito. Só preciso organizar a logística desta ação, fazer um planejamento, para realizar a reprodução simulada", declarou.

Os próximos depoimentos a serem colhidos serão dos familiares de João Pedro, dos cinco jovens e adolescentes que estavam na casa junto com ele, do médico bombeiro que atestou seu óbito na base do Serviço Aeropolicial (SAER) e de mais dois policiais da Core. "Já estamos realizando os contatos para agendar os depoimentos", afirmou Duarte.

Ainda segundo o delegado, os policiais que operam como piloto e copiloto do helicóptero da Polícia Civil explicaram o porquê terem socorrido João Pedro para a base do SAER, na Lagoa, Zona Sul do Rio, ao invés do Hospital Estadual Alberto Torres, que fica em São Gonçalo.

"Eles explicaram que o heliponto do Alberto Torres não tem as homologações e especificações técnicas de peso e tamanho para comportar a aeronave", finalizou Duarte.

Comentários