Material apreendido foi levado à Cidade da Polícia - Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Material apreendido foi levado à Cidade da PolíciaReginaldo Pimenta / Agência O Dia
Por RAI AQUINO
Publicado 06/10/2020 11:15 | Atualizado 06/10/2020 13:00
Rio - O esquema de extorsão descoberto pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) na Operação Brutus, realizada nesta terça-feira, revelou que um shopping chega a pagar R$ 15 mil por semana para a quadrilha que age em Madureira. O bando é formado por milicianos, traficantes,  um guarda municipal, um PM e funcionários públicos da Prefeitura do Rio.
De acordo com o delegado Maurício Demétrio, titular da DRCPIM, o grupo começou a agir ameaçando, coagindo e extorquindo os ambulantes do bairro da Zona Norte do Rio, que pagam de R$ 100 a R$ 250 por semana, dependendo do que vende e do tamanho da barra que usam. O esquema foi se sofisticado até atingir os grandes empresários.
Publicidade
"Eles foram numa crescente. Começaram extorquindo os ambulantes, daí, se sofisticaram e não pediam mais o dinheiro de ponta a ponta do lucro do comerciante, impondo um tipo determinado de barraca... quando eles se juntaram com o tráfico, partiram também para o comércio ilegal. Ai começaram a extorquir shoppings, supermercados, fábricas, estacionamentos", enumera o delegado.

Galeria de Fotos

Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Aline de Araújo, agente de controle urbano, foi levada para prestar esclarecimentos na Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Aline de Araújo, agente de controle urbano, foi levada para prestar esclarecimentos na Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Material apreendido foi levado à Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Material apreendido foi levado à Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Material de campanha da vereadora Vera Lins foi apreendido Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Material de campanha da vereadora Vera Lins foi apreendido Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mais de oito toneladas de produtos pirateados foram encontrados em uma vila de casas na Estrada do Portela Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Materiais piratas apreendidos na ação Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Publicidade
Na ação de hoje, os policiais prenderam duas pessoas, uma em flagrante por porte de munição e outra com mandado de prisão em aberto. Além disso, foram apreendidas 12 toneladas de produtos piratas, 20 fardas militares, munições, carregadores de pistola e fuzil, oito radiotransmissores e 13 coletes balísticos.
DESORDEM URBANA
Publicidade
A ação da quadrilha vem favorecendo o aumento da desordem urbana em um das principais áreas comerciais da cidade. Os funcionários públicos envolvidos no esquema fazem "vista grossa" para coibir as irregularidades.
"Madureira foi um caso complexo, porque a gente pode ver bem a junção de milícia, tráfico e funcionários públicos corruptos da banda podre, que estão, na verdade, ao invés de fazer o controle urbano, se unindo a milicianos para extorquir os ambulantes e os comerciantes da região", destaca Demétrio.
Publicidade
Dentre os alvo da investigação estão funcionários da Secretaria Municipal de Fazenda, responsáveis pela fiscalização da atuação comercial no bairro. A agente de inspeção de controle urbano Aline de Araújo chegou a ser levada para a sede de DRCPIM, na Cidade da Polícia, para prestar esclarecimentos. Ela é suspeita de receber dinheiro para não punir os crimes praticados pelo bando.
"A gente filmou de quatro a seis meses a região e pode constatar trocadores de rupas no asfalto. Eles já estavam instalando banheiros químicos. É um total descontrole urbano, na verdade", assinala o delegado.
Publicidade
HOMICÍDIOS
Publicidade
A quadrilha que age no comércio de Madureira também é investigada por pelo menos nove homicídios, praticados nos últimos dois anos. As vítimas seriam pessoas que não pagaram propina exigida ou por briga de facções rivais.
"Tem o caso de um que foi morto porque botou um engradado de cerveja e não pagou cinco reais", destaca Demétrio.
Publicidade
Outra vítima fatal do bando foi um comerciante, identificado como Jeferson Marcelo, que tinha infláveis para crianças, chamados de pula-pula, na Praça do Patriarca.
"Os milicianos quiseram tomar o inflável dele, ele denunciou e 12 dias depois foi assassinado", conta o delegado.
Publicidade
Os alvo da operação são investigados pelos crimes de formação de quadrilha, organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro.