Gravações revelam propinas

Por

O ex-presidente do órgão que deveria fiscalizar os ônibus intermunicipais e autorizar aumento das tarifas recebia até R$ 1 milhão por mês das empresas para não fazer seu trabalho. É o que mostra gravação obtida pelo Ministério Público Federal e exibida pelo Fantástico, da TV Globo. No áudio, o então presidente do Detro, Rogério Onofre, reclama com empresários de ônibus porque passou a receber R$ 600 mil, em vez de R$ 1 milhão por mês.

"Eu recebo R$ 1 milhão há mais de um ano e meio. Você, por vontade sua, foi lá cortou e botou 600. Eu fiquei quatro meses sem receber. Eu fui até surpreendido. Não tava fazendo nada. Eu não tava fiscalizando vocês", reclama Onofre. José Carlos Lavouras, um dos representantes da Fetranspor, então explicou: "Os 600 é o mensal. Os 400 sempre foram vinculados a uma tarefa". O ex-presidente do Detro diz ainda que recebia uma espécie de 14º salário, quando o governo autorizava aumentos das passagens intermunicipais. A gravação teria sido feita em reunião de Onofre com representantes da Fetranspor e empresários de ônibus em 2011.

Rogério Onofre está na cadeia desde julho. A Fetranspor afirma que desconhece o teor do áudio e que permanece à disposição das autoridades para esclarecimentos. A defesa de José Carlos Lavouras informa que "sequer sabe se o áudio é verdadeiro, se foi montado ou editado."

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários