Coisas do Rio
Coluna
Coisas do Rio
Thiago Gomide - thigomide@gmail.com

Tijuca completa 260 anos

Coluna indica três atrações imperdíveis no bairro

Por Thiago Gomide

Rio, 03/07/2019, Especial Segurança Presente, na foto praca saens pena. Foto de Gilvan de Souza / Agencia O Dia
Rio, 03/07/2019, Especial Segurança Presente, na foto praca saens pena. Foto de Gilvan de Souza / Agencia O Dia -
O morador da Tijuca não é carioca. Ele é tijucano. Ti-ju-ca-no. É como se fosse a nata da nata, sabe?
Sotaque com mais X e R.
Em ficha de hotel, quase confunde local de nascimento. Como assim Rio de Janeiro?
Do bairro aristocrático do começo do século XX é possível encontrar várias evidências. O castelo do Barão de Mesquita, na rua Ibituruna, é um bom exemplo.
Da época de ouro dos cinemas, quando a praça Saens Peña fervia de amantes da telona e de paqueras, sobrou a lembrança.
Metro, Olinda, América, Arte Palácio. Quem lembra?
Tijuca tem brasão. Tijuca tem bares que te fazem acreditar que o mundo está bom por demais.
Tijuca tem América Futebol Clube, o segundo time de todo carioca e o que ostenta o hino mais bonito ( hei de torcer, torcer, torcer...).
Ed1: Eu tinha escrito "hei de vencer, vencer, vencer". Parte da torcida canta dessa forma, contribuindo para a composição original. A leitora Cristiane Campos H. de Carvalho, que foi atleta do clube, chamou minha atenção. Obrigado mesmo. 
Tijuca tem até os últimos táxis Fuscas do Rio de Janeiro. Vale a nostalgia. 
Nesse enorme mosaico, a coluna selecionou três atrações imperdíveis:

1. Conhecer o Hospital Gaffrée e Guinle
Longe de estarmos querendo o seu mal. Muito pelo contrário. A ida ao hospital, nesse caso, é para enriquecer seus conhecimentos científicos.
O prédio foi inaugurado em 1929. A frente, duas das famílias mais importantes da história do Brasil e que estão destacadas no nome. O objetivo era lançar o primeiro centro médico de estudo e tratamento das doenças sexualmente transmissíveis.
O visitante encontra uma capelinha com vitrais franceses, valorizando laços religiosos.
Para não perder o fio da meada, ao subir para o segundo andar, pela escada, observe os vitrais homenageando admiráveis personagens da ciência: Louis Pasteur, Oswaldo Cruz e Robert Koch estão entre eles.

2. Andar pela Haddock Lobo
Tim Maia cantou em “Haddock Lobo Esquina Com Matoso”:
“Haddock Lobo
Esquina com Matoso
Foi lá que toda a confusão começou

Erasmo, um cara esperto
Juntou com Roberto
Fizeram coisas bacanas
São lá da esquina, hahaha!
(...)
A turma estava formada
Com lindas meninas
E o Jorge com um camarada
Era uma Babulina, alô Jorge Ben!”
Os personagens são emblemáticos: Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Jorge Ben e, claro, o próprio Tim Maia.
Quem caminha ali deve saber que esses cidadãos nasceram como músicos nesse canto da cidade.
Pouca coisa não é.
Tim Maia foi homenageado com uma estátua na praça Afonso Pena. 
3. Visitar a Igreja dos Capuchinhos
Ainda na rua Haddock Lobo.
A Igreja foi construída em 1928 homenageando São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro.
Nesse lugar sagrado, o visitante encontra o mausoléu de Estácio de Sá, o fundador da nossa cidade, e o marco de fundação do Rio de Janeiro, que estava no morro do Castelo, demolido na década de 1920.
*
Pra quem gosta de um chopinho
O engenheiro Luís Xavier, morador do bairro há mais de 30 anos, indica experimentar o risoto de camarão da Salete, na rua Afonso Pena.
A empadinha de camarão é muito boa.
O chope é gelado.
Sonho? Realidade? 
O chato é que tenho ouvido críticas ao serviço.
Não vamos dar mole, hein? 
*
 Tijuca: capital do futebol de botão
Existia uma papelaria chamada Gugula, em frente ao colégio Militar.
Era uma sensação entre os amantes do futebol de botão na minha época de colégio: vendia relíquias a preços interessantes.

Parei de frequentar em 2001.
Dez anos depois, fui dar aula de roteiro no colégio José Leite Lopes, na rua Uruguai.
Competição de botão rolando solta. Alguns galalites, constatei.
Não deu outra, o estudante tinha comprado na... Gugula.
Desgraça ter fechado.
Guardo os meus e é complicado me vencer. 
*
Você indica 
Quais lugares você indicaria na Tijuca? O que não pode deixar de fazer?

Comentários