Coisas do Rio
Coluna
Coisas do Rio
Thiago Gomide - thigomide@gmail.com

Biblioteca infantil pública abre as portas para a Saara

Evento nessa quarta(5) marca a reinauguração do espaço dedicado às crianças e aos livros

Por Thiago Gomide

Rua da Alfândega:acesso a biblioteca infantil gratuita
Rua da Alfândega:acesso a biblioteca infantil gratuita -
Caso tivesse um RG estaria escrito Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega.
Não tem jeito. Só chamamos de Saara. Lugar da perdição nas compras. Reduto das fantasias de carnaval, pisca-pisca natalino e das bijus com toda pinta de Swarovski. Espaço divino para uma arte milenar: a pechincha.
A região que ganhou seus primeiros imigrantes, em especial árabes, ainda no Império, vê portas fechadas desde 2018 se reabrirem.
Estou falando das portas na rua da Alfândega que dão acesso a ala infantil da Biblioteca Parque Estadual. As portas ficam pertinho da entrada da Igreja de São Jorge.
Para comemorar, as crianças vão ter um dia intenso: das 10h às 17h acontecem programações para tudo que é gosto.
Quer exemplos?
10h: Duda Macieira apresenta o Teatro de Varetas da Violeta.
14h: A escritora Fabíola de Souza lança a obra "Ricardo Pançudo e Joca Palito".
15h: As sensacionais youtubers Eduarda e Helena, conhecidas pelo trabalho "Pretinhas Leitoras", administram mediação de leitura.
17h: Vai rolar a banda Hashtag, com Thays Uzeda e Guilherme Salgueiro.
Agora é acompanhar para ver o funcionamento no dia a dia.
*
Entendendo a Alfândega
Perceba que as construções têm dois andares.
Antigamente os donos moravam no segundo andar e trabalhavam no primeiro.
A região foi reduto árabe até a década de 1990. Depois chegaram os chineses.
*
Campo de Santana
O Campo de Santana está ao ladinho. Vale a visita.
Foi nesse lugar que a República foi proclamada em 15 de novembro de 1889.
*
Campo de Santana II
Foi no Campo de Santana que, em 1818, aconteceram a aclamação de D. João VI como rei de Portugal, Brasil e Algarves e a festa de casamento de D. Pedro I com Dona Leopoldina. 
Para ver como é o Brasil: Dom Pedro I seria xingado nesse mesmo cantinho da cidade alguns anos depois.
Em 1831 abdicou do trono e se mandou para Portugal deixando o filho Dom Pedro II, com apenas 5 aninhos.
*
Campo de Santana III
Essa região ficou famosa, lá pra 1930, como um dos redutos da gafieira.
João Nogueira (Salve!) compôs "Baile no Elite", que nos oferece um pouco do clima da época:
"Fui a um baile no Elite, atendendo a um convite do Manoel Garçom (Meu Deus do Céu, que baile bom!)/ Que coisa bacana, já do Campo de Santana, ouvir o velho e bom som: trombone, sax e pistom".
*
Escola Municipal Rivadávia
Saindo pela porta principal da Biblioteca Parque você vai ver a Escola Municipal Rivadávia Corrêa, de 1877. É uma instituição da época do Imperador Dom Pedro II, aquele que foi abandonado aos 5 anos e se virou, aos 15, para administrar esse país.
*
Outros fatos 
A central do Brasil está perto: foi ali o nascimento da Estrada de Ferro Dom Pedro II, que deu força ao Rio de Janeiro.
Havia touradas, no estilo português, nesse lugar da cidade. 
Atravessando a rua, você encontra o Palácio Itamaraty, antiga casa da diplomacia brasileira. Nesse edifício, por exemplo, está a mesa que Dom Pedro I assinou a abdicação ao trono, em 7 de abril de 1831. 
Se estiver por essas bandas, veja a estátua de Duque de Caxias. Ela ficava no Largo do Machado e foi construída para homenagear um dos principais líderes das forças armadas do Brasil. A inauguração dela foi um fiasco: um grupo de bêbados não segurou a onda na madrugada anterior e tirou o pano que cobria o monumento. 
Teve discurso e tudo. 
Bem, essa é outra história. 
*
Aniversário
A coluna deixa os parabéns para a Secretária Estadual de Cultura, a professora Danielle Barros.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários