Ferramenta está acessível para todos os cerca de 9 mil agentes da Polícia Civil - Divulgação
Ferramenta está acessível para todos os cerca de 9 mil agentes da Polícia CivilDivulgação
Por PALOMA SAVEDRA
A Polícia Civil do Rio de Janeiro tenta reduzir a carência de pessoal com a realização de concurso com mais de 800 vagas. Para a categoria, o anúncio da seleção pública para preenchimento de vacâncias (cargos vagos por aposentadoria e outras razões) é um passo para o reforço da instituição, garantindo, assim, o atendimento à população.
"A categoria sofre uma enorme sobrecarga de trabalho com a falta de efetivo e os novos concursos são necessários e urgentes para o fortalecimento da investigação e atendimento ao público", declarou o presidente em exercício do Sindicato dos Policiais Civis do Rio (Sindpol-Rio), Fábio Neira.
Publicidade
Déficit chega a 15.500
Os agentes, porém, pedem atenção constante a esse problema que a instituição vem enfrentando nos últimos anos. Para se ter uma ideia, pela legislação (de 2001), a Sepol tinha que ter 23.800 policiais. E o número total de servidores da corporação, atualmente, é de 8.300. Ou seja, há um déficit de mais de 15 mil agentes.
Publicidade
Ao confirmar ontem a autorização para o concurso, o secretário de Polícia Civil, Alan Turnowski, ressaltou a necessidade de reposição de vagas para reforçar o trabalho dos demais policiais, e, claro, para as investigações.
"Para os agentes que estão na linha de frente, saber que vai chegar esse reforço é muito importante para que eles mantenham o ritmo de trabalho. Precisamos de pessoas vocacionadas na corporação. Trabalhar na Polícia Civil engloba muitas coisas, e a investigação é a nossa essência. A estrutura que o governo do estado vem criando para as polícias trabalharem gera tranquilidade à população", declarou Turnowski.