Sustentabilidade: prefeitura do Rio planeja se tornar 'carbono neutro'

Escritório de Planejamento prepara construção de fazenda solar em Gericinó

Por Julia Noia*

Painel de energia solar
Painel de energia solar -

O caminho para o desenvolvimento sustentável exige alterações estruturais no modelo que utilizam para produção de energia. Para a prefeitura do Rio de Janeiro, a revolução vem do sol. Essa poderosa energia será absorvida e aproveitada por meio da criação de uma fazenda solar, estabelecida no aterro sanitário de Gericinó, na Zona Oeste. 

"Quando quisemos propor um projeto de energia renovável, pensamos em fazer mais que apenas isso. A nossa ideia é transformar a prefeitura do Rio em carbono neutro", explicou Pedro Rolim, gerente de sustentabilidade do Escritório de Planejamento da Secretaria da Casa Civil. As obras do Solário Carioca devem começar em 2021, depois que o escritório tiver com os laudos de viabilidade do projeto, disponíveis até o final do ano.

O escritório estima que o projeto vai ocupar 80 mil m², com capacidade de produzir energia suficiente para garantir o funcionamento dos oito caminhões elétricos da Comlurb, além de suprir o consumo do prédio da companhia. A reserva será utilizada a partir do Sistema de Geração Distribuída, que permite o uso da energia através de uma rede de armazenamento. Segundo Rolim, a Solário Carioca é a primeira etapa para conseguirem abastecer todos os prédios da prefeitura.    

O benefício da energia sustentável envolve toda a sociedade. Desde o começo do Solário Carioca, os responsáveis pelo projeto avaliaram o impacto social da criação da fazenda solar para a população local. "Um dos produtos do estudo é a avaliação do impacto social, e pensamos de que forma as pessoas que moram no entorno podem ser utilizadas na construção e manutenção da Solário Carioca", definiu.

 *estagiária sob supervisão de Luiz Almeida

A chegada da verdadeira fonte de energia limpa

Diferentemente da produção de energias hidroelétricas e termoelétricas, a solar é uma alternativa que preza pela sustentabilidade, com mínimos impactos ambientais. Da instalação até o produto final, a matriz energética é atraente, apesar do alto custo do investimento inicial para pequenos produtores. 

"Com a captação de energia do sol, as vantagens começam na instalação, mais prática e versátil, já que os painéis podem ser instalados em telhados, paredes, áreas abertas, na água ou na terra. Para o meio ambiente, a diminuição do uso de combustíveis fósseis é um grande apelo", afirmou Gabriel Rodrigues, engenheiro florestal. 

A energia solar é captada através de painéis fotovoltaicos. Depois da instalação, as células fotovoltaicas captam a energia solar por meio dos fótons que, ao serem transferidas para os elétrons, geram um movimento constante: a corrente elétrica.

O engenheiro florestal explica que, onde há rede de energia acessível, a energia é utilizada diretamente no local de produção e o excedente é armazenado em uma rede, gerando créditos de energia para serem consumidos quando não há sol ou longe da matriz, como é o caso do Solário Carioca.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários