'Cartas Para Martin' fala sobre racismo e meritocraria para jovens

Livro de Nic Stone aborda temas importantes de forma leve sem deixar de conscientizar

Por TÁBATA UCHÔA

'Cartas Para Martin' aborda racismo e meritocracia
'Cartas Para Martin' aborda racismo e meritocracia -
As primeiras páginas do livro "Cartas para Martin", de Nic Stone, que saiu no Brasil pela editora Intrínseca, já começam com um soco no estômago: um jovem negro de 17 anos é preso por um policial branco ao tentar ajudar a ex-namorada bêbada a entrar no carro. 
Por conta da cor de sua pele, Justyce McAllister é considerado suspeito pelo policial, agredido e levado para a delegacia. Depois da experiência traumática, Justyce resolve escrever cartas para Martin Luther King Jr., símbolo da luta contra a segregação racial nos Estados Unidos, que morreu em 1968. O jovem também inicia um projeto pessoal em que antes de agir, deve pensar em como Martin Luther King Jr. agiria e seguir seu exemplo. 
Apesar de ser um livro voltado para o público jovem adulto, "Cartas Para Martin" discute temas importantes como violência policial contra negros, racismo e até sistema de cotas, meritocracia, colorismo e racismo reverso.
O livro foi lançado nos Estados Unidos dois anos antes do assassinato de George Floyd, ressaltando com isso o importante papel que a literatura tem de retratar a sociedade em que vivemos e que ainda é, infelizmente, dividia pelo racismo.
George Floyd foi um homem negro que morreu após um policial branco pressionar o joelho sobre seu pescoço por mais de oito minutos, em Minneapolis, nos Estados Unidos, em maio deste ano.

Comentários