Confira a agenda dos presidenciáveis nesta terça-feira

Ciro, Alckmin e Marina vão até São Paulo; Haddad visita Santa Catarina

Por O Dia

Palácio do Planalto
Palácio do Planalto -

Rio - Confira o que fizeram os principais candidatos à Presidência da República nesta terça-feira:

Jair Bolsonaro (PSL)

O candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro permanece internado na unidade semi-intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, com função intestinal em recuperação, de acordo com boletim médico divulgado nesta tarde. Ele tem evolução clínica satisfatória e boa resposta ao tratamento até o momento. De acordo com o hospital, Bolsonaro está em jejum oral, recebendo por via endovenosa os nutrientes e continua sem febre.

Fernando Haddad (PT)

Em encontro com sindicatos de pescadores em Itajaí (SC), nesta terça-feira, o candidato à Presidência Fernando Haddad (PT) prometeu estudar a recriação do Ministério da Pesca, pasta concebida no primeiro ano de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e extinta no segundo mandato de Dilma Rousseff. Depois, concedeu coletiva de imprensa e participou de ato de campanha em Florianópolis. 

Ciro Gomes (PDT)

Ciro participou, nesta manhã, de um encontro na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na região central da capital paulista, onde criticou o "voto útil": "Eu não quero ser eleito por alguém que botou a mão no nariz e votou em mim porque não queria votar em outro. Quero ser eleito porque represento a saída para o Brasil, que precisa restaurar o diálogo e acabar com essa ameaça fascista que não é nem tanto o Bolsonaro, mas o vice dele, que está deixando clara essa posição", disse.

Geraldo Alckmin (PSDB)

Durante agenda de campanha no bairro do Pari, zona central da capital paulista, Alckmin afirmou que um indulto ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, seria um "acinte" à Justiça.

Marina Silva (Rede)

A candidata da Rede visitou hoje o Centro de Parto Humanizado Casa Angela, no Jardim Mirante, em São Paulo, instituição conveniada ao SUS. A agenda é um aceno ao eleitorado feminino, grupo em que Marina perdeu espaço de forma maciça nas últimas semanas. Ela liderava nas pesquisas de intenção de foto entre as eleitoras, mas acabou perdendo força.

 

* Com informações do Estadão Conteúdo e da Agência Brasil