'Não aceito resultado que não seja minha vitória', diz Bolsonaro

Em primeira entrevista concedida após facada, Bolsonaro volta a criticar urna eletrônica, desconfia de profissionais do TSE e diz que vai 'quebrar o sistema'

Por O Dia

Jair Bolsonaro (PSL) dá primeira entrevista à televisão após o atentado
Jair Bolsonaro (PSL) dá primeira entrevista à televisão após o atentado -

São Paulo - Na primeira entrevista concedida após o atentado sofrido no dia 6 de setembro, Jair Bolsonaro disse que não vai aceitar perder as eleições: "Não aceito resultado que não seja minha vitória". O candidato voltou a dizer que não confia nas urnas eletrônicas. A entrevista foi gravada na manhã desta sexta-feira e exibida no programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes.

O presidenciável explicou que não desconfia "dos ministros do TSE pois eles não tem capacidade de hackers. Mas desconfio de alguns profissionais dentro do TSE". Procurado, o Tribunal Superior Eleitoral disse que não se posicionará sobre a declaração. O Ministro Luís Roberto Barroso, em evento nesta sexta-feira, saiu em defesa das eleições e disse que democracia não é regime em que "meu lado sempre ganha". 

Ao ser questionado sobre o Partido dos Trabalhadores, Jair disse que "o grande problema do PT é a sede do poder", e que "só na fraude" o PT pode vencer. 

Bolsonaro afirmou ainda que vai participar dos debates do segundo turno. Por recomendações médicas, o presidenciável não sairá de casa até o próximo dia 10, quando deve voltar às ruas com segurança reforçada, para evitar que o "abraço de um fã possa afetar a cirurgia". Até lá, se fará presente nas redes sociais.

O candidato do PSL criticou a campanha #Elenão, e afirmou que "artistas estão achando que vão manipular a mulher brasileira". Em seguida, voltou a criticar a Lei Rouanet: "parece que fizeram uma lavagem cerebral nessas pessoas [os artistas]".

A expectativa é de que o ex-capitão do Exército tenha alta ainda neste final de semana.