Esquema de segurança para eleição no Estado do Rio terá 40 mil agentes

Ação contará com 4,5 mil das Forças Armadas e ficará no Centro Integrado de Comando e Controle

Por O Dia

Militares das Forças Armadas, que já atuam na intervenção federal no Estado do Rio, também vão ajudar no patrulhamento das eleições -

Rio - O esquema de segurança para as eleições no Estado do Rio de Janeiro contará com a participação de aproximadamente 40 mil agentes das forças federais e estaduais. O efetivo já irá atuar, em ação integrada, a partir de hoje, quando a Polícia Militar fará a escolta e a distribuição das urnas nos locais de votação. Com o apoio de 4,5 mil militares das Forças Armadas, a PM vai estar presente em todas as zonas eleitorais.

Todo o esquema de segurança para as eleições vai ficar baseado no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, e contará com representantes de diversas instituições e corporações. No local vão funcionar o Centro Integrado de Operações Coordenadas (Cioc) e o Gabinete de Gestão de Crise (GGC), reunindo autoridades do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro (TRE-RJ), do Comando Conjunto das Forças Armadas, do Ministério Público Federal (MPF), da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), da Polícia Federal (PF) e também da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O CICC também vai abrigar representantes da Secretaria de Estado Governo (Segov), do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), da Pmerj, da Polícia Civil (PCERJ), do Corpo de Bombeiros (CBMERJ), da Defesa Civil (Sedec-RJ), da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), da Secretaria de Estado de Transportes (Setrans), da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) e da Guarda Municipal (GM-Rio).

O trabalho em conjunto é resultado da Coalizão Eleitoral, grupo multissetorial que vem se reunindo desde o fim do ano passado. "O ambiente eleitoral no Rio de Janeiro, sob intervenção federal na área de Segurança Pública, tem sido de tranquilidade. A Coalizão tem nos permitido trabalhar preventivamente e de forma integrada entre vários órgãos a fim de apoiar a fiscalização eleitoral e a obtenção de provas robustas capazes de caracterizar a prática de crime eleitoral, como abuso de poder econômico de facções criminosas", disse o Secretário de Estado de Segurança, Richard Nunes.

O esquema de segurança também terá a participação de A Guarda Municipal do Rio atuará com 800 agentes, sendo 458 em apoio ao TRE. Do total do efetivo, 268 guardas vão atuar em ações de ordenamento e de fiscalização do trânsito, 190 nos locais de votação e 342 em grupamentos especiais, videomonitoramento e setor de inteligência.

Delegacias funcionam normalmente

O esquema de segurança montado pela PM para o primeiro turno das eleições de 2018 prevê um total de 35 mil agentes, como O DIA antecipou na edição de ontem sendo 13.200 policiais extras no Estado. O plano prevê escolta de urnas e policiamento nos 4.897 locais de votação.

A Polícia Civil informou que o efetivo será reforçado em todas as delegacias, que funcionarão normalmente. A Cidade da Polícia atuará como principal centro de custódia provisória. Haverá equipes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e da Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) de prontidão. A Seap destaca que não haverá votação dos presos provisórios.

Duzentos agentes do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro e da Defesa Civil Estadual reforçam a segurança das eleições 2018, realizando a prevenção e conferindo agilidade às possíveis ações de combate a incêndios, salvamentos e atendimentos pré-hospitalares.

Com informações da Agência Brasil

Comentários