Haddad, sobre Bolsonaro: por que entrevista pode e debate não?

Candidato do PT recebe ato de apoio e defende reformas bancária e tributária

Por O Dia

Candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad durante entrevista coletiva após encontro com dirigentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil
Candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad durante entrevista coletiva após encontro com dirigentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil -

Brasília - Candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad apelou mais uma vez para que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) participe de debates frente a frente no segundo turno da disputa: "Por que entrevista pode e debate não?", questionou o petista. "Da onde saiu essa prescrição médica? Gostaria de entender melhor."

O petista acusou ainda o candidato do PSL de espalhar mentiras dizendo que, durante os governo do PT, o Ministério da Educação distribuiu o chamado kit gay nas escolas.

"Ele não conhece escola pública, ridícula essa manifestação. Por isso que foge dos debates", atacou Haddad. "Você acha certo ganhar voto mentindo contra seu oponente? Isso não tem nenhum cabimento."

O ex-prefeito de São Paulo também gravou um curto vídeo desafiando o adversário a participar do debate. "Deputado Bolsonaro, vem contar para o povo brasileiro o que você fez durante 28 anos no Congresso Nacional. Vem pro debate!", diz o petista.

Na quarta-feira, a equipe médica que supervisiona a recuperação do presidenciável recomendou que ele não participe de nenhum debate até o próximo dia 18. Com isso, foram cancelados os debates da TV Bandeirantes, Estadão/TV Gazeta, Rede TV/IstoÉ e SBT/Folha, previstos para ocorrer antes da próxima avaliação médica, marcada para o dia 18.

Ato de apoio e defesa de reformas bancária e tributária

Em entrevista para âncoras de 90 rádios nordestinas, Haddad defendeu nesta quinta-feira as reformas nos sistema tributário e bancário brasileiro. Segundo ele, é necessário taxar os bancos, que cobram juros altos, regulamentando e reformulando o sistema. “Sem reforma bancária e sem reforma tributária, a economia não vai reagir", disse ele em Brasília.

Para Haddad, a reforma tributária deve prever aumento de impostos a grandes fortunas e zerar os impostos para quem ganha até cinco mínimos. “Com isso o poder de compra vai aumentar, isso vai aquecer a economia que é o caminho para arrecadar mais”. Segundo ele, os “milionários” é que devem pagar mais tributos.

Ao deixar o local da entrevista, na região central de Brasília, o candidato foi cercado por algumas dezenas de simpatizantes e apoiadores. Ele recebeu abraços e tapas nas costas, ouviu palavras com desejos de sorte e estímulo para a campanha neste segundo turno. O ato de apoio incluiu cânticos e referências ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

*Com Agência Brasil e Estadão Conteúdo