Haddad sugere Mario Sérgio Cortella para Ministério da Educação

Candidato do PT divulgou vídeo no Twitter ao lado da mulher, Ana Stela, ambos professores universitários. Para eles, uma das maiores satisfações foi a fixação do piso nacional do magistério

Por O Dia

Haddad faz homenagem ao Dia do Professor ao lado de esposa
Haddad faz homenagem ao Dia do Professor ao lado de esposa -

São Paulo - O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, postou uma mensagem em seu perfil no Twitter nesta segunda-feira, 15, sugerindo o nome do filósofo e articulista Mario Sérgio Cortella para o Ministério da Educação.

"Sou amigo do Mario Sérgio Cortella há anos. Ele acompanhou meu trabalho como ministro e há muito tempo digo que ele deveria pensar em ocupar o Ministério da Educação. Quero montar a equipe dos melhores", escreveu o ex-prefeito da capital paulista.

Cortella não é o primeiro nome aventado pelo presidenciável do PT para compor um eventual ministério. Na semana passada, o ex-prefeito de São Paulo sugeriu que o empresário Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente José Alencar, "tem todas as condições, perfil e sensibilidade social" para chefiar a Fazenda caso ele seja eleito.

"Isso é só especulação, sem nenhum fundamento. Nem é o momento para isso (conversas)", desconversou o empresário ao falar com a reportagem.

Dia do Professor

Haddad e a mulher, Ana Stela, ambos professores universitários, destacaram o orgulho da profissão. Para eles, uma das maiores satisfações foi a fixação do piso nacional do magistério. O vídeo com a mensagem dos dois também foi postado no Twitter.

“Quando você entra em uma sala de aula, você não pergunta se o aluno é corintiano ou torce pro Bahia, se ele é judeu ou muçulmano, se é preto ou branco. Você apenas se doa. Se doa para que as pessoas aprendam e se desenvolvam. Essa é a missão de vida de um professor”, disse o candidato ao lado da mulher.

Haddad lembrou que a data de 15 de outubro como Dia do Professor tem um resgate histórico, quando em 1827, a educação se tornou obrigatória nas vilas e cidades brasileiras e os professores passaram a ter salário para lecionar.

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil