Mais Lidas

Mourão critica fala de filho de Bolsonaro e diz que PT já falou a mesma coisa

'Não é uma resposta correta e o próprio Bolsonaro já o desautorizou. Isso está totalmente fora de cogitação. Isso é impossível. As Forças Armadas jamais iriam aceitar uma coisa dessas. Tem risco zero', afirmou o candidato a vice pelo PSL

Por ESTADÃO CONTEÚDO

General da reserva Hamilton Mourão
General da reserva Hamilton Mourão -

São Paulo - O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão, criticou a declaração do deputado Eduardo Bolsonaro de que "bastaria um cabo e um soldado" para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) e ressaltou que ele "já foi desautorizado" pelo presidenciável.

"Não é uma resposta correta e o próprio Bolsonaro já o desautorizou. Isso está totalmente fora de cogitação. Isso é impossível. As Forças Armadas jamais iriam aceitar uma coisa dessas. Tem risco zero", afirmou Mourão ao Broadcast Político, acrescentando: "O Jair Bolsonaro já pegou e deu uma chicotada em cima disso aí. Está errado. Não pode dizer isso "

Mesmo repudiando a fala do filho de Bolsonaro, o general se mostrou indignado com o fato de não ter tido a mesma repercussão declaração semelhante e "igualmente descabida" feita, em abril deste ano, pelo deputado federal Wadih Damous (PT-RJ).

O petista disse, em vídeo publicado em redes sociais, logo após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido preso, que "tem que fechar o Supremo Tribunal Federal", que era preciso "redesenhar" o Poder Judiciário e fez diversas críticas ao ministro Luís Roberto Barroso, que segundo ele "ajudou a colocar o presidente Lula atrás das grades". Mourão lembrou que "estranhamente, isso não causou nenhuma comoção".

"Eduardo é um deputado. Nada mais do que isso, assim como o Wadih Damous. Ambos são deputados. O que ele (Eduardo) vai fazer? Ele, sozinho vai fechar o STF? Isso é um absurdo. Inexequível. Isso é fazer tempestade em copo d'água. Tem de criar um fato. Então, aparece uma frase do cara, dita de afogadilho, sem raciocinar sobre o que está falando, que não devia ter dito, numa palestra, e a oposição diz: vamos virar aqui", comentou.

O militar questionou: "E o que o deputado do PT disse? O deputado Wadih Damous falou que ia fechar o Supremo e ninguém falou nada. Passou batido. Ele pode? Só porque é do PT ele pode falar e ninguém reage? Quer dizer que o deputado Wadih do PT pode mas o deputado Eduardo do PSL não pode? Por quê? Só porque é o Wadih Damous do PT pode falar e ninguém reclama, ninguém se espanta ou cria comoção?"

Para o general Mourão, "a campanha do PT entrou no desespero dos perdedores, porque vão perder suas boquinhas e começam estes golpes baixos que, aliás, dominaram a campanha".

Lembrado que a fala do deputado Eduardo Bolsonaro está sendo considerada um desrespeito ao Supremo, o general Mourão, mesmo reiterando que a declaração de fechar STF é "descabida", respondeu citando que, em tempos de internet é preciso tomar cuidado com tudo que se fala.

"As pessoas têm de começar a se acostumar que, na era da internet e da digitalização, qualquer coisa que é falada agora é filmada e jogada na rede. Isso é mudança total na forma de se comunicar e ver o que vai falar. Tem de estar atento a essas coisas", disse. "A privacidade hoje está perdida. Tem de ver que há uma nova forma de serem divulgados os fatos", finalizou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia