'Pessoas boas também votaram em Adolf Hitler', diz Roger Waters em entrevista a Caetano Veloso

Artistas discutiram política, economia, história e meio-ambiente em vídeo divulgado pela Mídia Ninja nesta sexta-feira

Por O Dia

Caetano Veloso e Roger Waters
Caetano Veloso e Roger Waters -

Rio - Caetano Veloso bateu um longo papo com Roger Waters para o canal da Mídia Ninja no YouTube. Na conversa, os artistas refletiram sobre a atual situação política do Brasil e do mundo. O ex-Pink Floyd contou que se informou em jornais sobre o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), que vem sendo citado como neo-fascista nas apresentações do cantor pelo Brasil. 

"Só de brincar com a ideia de ter alguém como Bolsonaro como presidente de seu país seria impensável se você tivesse qualquer sentimento social, político ou humanitário, ou educação de qualquer tipo. Porque só pelo o que o cara fala, ele se afunda com suas próprias palavras. Com esse papo de que o que nós precisamos é de mais armas, o que precisamos é entrar nas favelas para matar todo mundo e que vai ficar tudo bem, isso é uma completa falta de senso e só vai servir para atrasar esse grande país. Porque o Brasil é um país maravilhoso", disse Waters. 

O cantor também alertou para que as pessoas não esqueçam do ano de 1933, quando o ditador alemão assumiu o poder. "Para qualquer um que estudou autoritarismo, economia neoliberal e história, qualquer um que meio que leu um livro sobre qualquer uma dessas coisas, ou qualquer um que tem consciência do que aconteceu na República de Weimar na Alemanha em 1933, isso é brincar com fogo", disse. 

Caetano, então, falou que se desiludiu com algumas "pessoas boas" que declararam voto em Bolsonaro. "Muitas pessoas boas estão iludidas por ideias doidas", disse. "O que eu posso dizer a essas pessoas boas é que elas precisam se lembrar de 1933, eu tenho certeza de que boas pessoas votaram em Adolf Hitler também. E foram eleições democráticas. E quando ele chegou ao poder, eles tiveram o Incêndio de Reichstag e, de repente, tudo mudou. Não havia mais leis, só uniformes marrons e vingança. É um caminho super perigoso ter todas essas pessoas boas pensando em votar em Bolsonaro", disse Waters.