Candidata à Prefeitura do Rio pelo PSOL, Renata Souza, na Ilha do Governador - Divulgação
Candidata à Prefeitura do Rio pelo PSOL, Renata Souza, na Ilha do GovernadorDivulgação
Por O Dia
A candidata à Prefeitura do Rio pelo PSOL, Renata Souza, esteve, neste domingo, no bairro do Cocotá, na Ilha do Governador. Lá, a candidata afirmou que tem a proposta de expandir o Sistema de Alerta e Alarme Comunitário para chuvas fortes da cidade para todas as favelas da cidade, incluindo as localizadas no entorno dos maciços da Pedra Branca e de Gericino. Renata destacou que os alagamentos e a insegurança que a população sofre a cada chuva revela o pouco caso das administrações.

A candidata afirmou que pretende implementar um sistema de alerta móvel compulsório, com o qual todos os dispositivos localizados no raio de abrangência de antenas de telefonia móvel em áreas de risco receberão automaticamente mensagens, independentemente de cadastro prévio.
Outra projeto de Renata Souza é investir na cultura da prevenção. Para isso, a candidata pretende criar um calendário anual de simulados presenciais com moradores das áreas de risco geológico e hidrológico. “Temos que ter uma cultura de prevenção a desastres nas regiões mais vulneráveis. Vamos treinar a rede de órgãos públicos e a população, priorizando os jovens nas escolas municipais, em especial moradores das áreas de risco. Todos devem saber como agir em caso de crise.”, afirmou Renata Souza.

Além disso, a candidata revelou que também criará o programa Agente Comunitário da Defesa Civil. Esse projeto terá o objetivo de garantir atenção primária na proteção socioambiental das favelas da cidade, com participação direta da população local. Estudos deverão definir rotas de fuga prioritárias a serem utilizadas pelos moradores das áreas de alto risco.

Na base do conjunto de ações estará a transformação da Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil (SUBPDEC) em Secretaria Municipal de Proteção e Defesa Civil (SMDEC), com estrutura e capacidade de planejar e executar as políticas públicas de defesa civil. Em conjunto com a Empresa Municipal de Informática do Rio de Janeiro (Iplan-Rio), será desenvolvido um sistema de registro em tempo real de ocorrências operacionais na cidade, que será alimentado a partir de dispositivos móveis. Esse banco de dados será capaz de emitir relatórios completos dos impactos de desastres, para que seja possível rápida atuação.

Com a Fundação Instituto de Geotécnica (Geo-Rio), Renata Souza afirmou que adotará instrumentos para monitoramento em tempo real de deslizamentos. “Nossa equipe já fez os estudos preliminares e indica que, por meio de emissões acústicas, será possível aprimorar a detecção antecipada de movimentos de massa. É o que vamos fazer. O mesmo vale para a implementação, junto à Fundação Instituto das Águas (Rio-Aguas) de monitoramento do nível dos corpos hídricos e detectaremos antecipadamente os riscos de inundações.

Por fim, Renata Souza disse que adotará um sistema automatizado e descentralizado de acionamento dos alarmes sonoros, para reduzir possibilidades de erro humano na operação do sistema. Nessa operação estarão juntas o Iplan-Rio, a Geo-Rio e a Rio-Aguas.